Pedro João Dias é suspeito de ser o responsável pelo banho de sangue em Aguiar da Beira e continua em fuga 14 dias depois. É considerado muito perigoso e certamente andará armado. Já revelou ter pontaria e aptidão para o manuseio de armas de fogo. Já foi investigado pelas autoridades cinco vezes, quase sempre por casos de furtos. Mas foi também suspeito de possuir várias armas e até haxixe.

Mantém-se por isso em curso uma das maiores caças ao homem realizadas em Portugal pelas autoridades, para localizar e capturar o alegado autor dos homicídios de Aguiar da Beira. 

A 11 de Outubro o suspeito terá matado duas pessoas e deixou feridas outras duas. Entre as vítimas encontram-se dois civis e dois militares da Guarda Nacional republicana (GNR). Um terceiro militar da GNR ficou ferido no decurso de mais uma perseguição.

Vila Real e os arredores são agora a zona mais vigiada pela GNR e PJ (#Polícia Judiciária). Em especial nas áreas do concelho de Sabrosa, onde o alegado homicida de Aguiar da Beira terá assaltado casas e furtado cobertores, camisolas, luvas, gorros e até mantimentos para se alimentar.

Mas foi apenas na última casa que terá sido assaltada que as portas foram arrombadas. E somente aí a PJ encontrou material capaz de identificar o assaltante: sangue, impressões digitais e cabelos.

Mas também em Moldes (Arouca), o suspeito assaltou uma casa, furtou uma carrinha e ainda agrediu, sequestrou, amarrou e amordaçou um casal dentro dessa habitação. A carrinha foi posteriormente abandonada na aldeia de Carro Queimado, em Vila real.

Mas a última acção conhecida do homem mais procurado no momento poderá ter sido o furto de um Land Rover Defender 110 com a matrícula 29-BL-24 em Celeirós (Vila Real). O carro estaria estacionado na Quinta do Portal desde o sábado passado (22 de Outubro). Os proprietários deram pela falta do jipe hoje de manhã (24 de Outubro) e posteriormente denunciaram o facto à GNR.

Se eventualmente alguém o avistar, deve avisar de imediato a GNR através do 112. E, para sua própria segurança, deve evitar aproximar-se ou mesmo ser visto por ele, pelo enorme risco de se tornar em mais uma vítima. #Crime