Uma patrulha da #GNR de Aguiar da Beira constituída por dois militares, terá hoje (11 de outubro) de madrugada, surpreendido dois indivíduos intervenientes num assalto na zona industrial. Logo após terem sido descobertos, os suspeitos atiraram de imediato para os militares da GNR, apanhando-os desprevenidos e sem reacção. Nem sequer terão tido tempo para recorrer às armas de fogo para se defenderem ou até para pedirem ajuda.

Um dos militares baleados ficou gravemente ferido e foi mesmo abandonado onde foi baleado; mas o segundo baleado foi ainda colocado na bagageira da própria viatura da GNR e abandonado num local ermo, num pinhal na estrada que liga Viseu a Aguiar da Beira. A GNR só suspeitou que algo não estava bem com os dois militares em patrulha quando a viatura em que seguiam permaneceu imóvel tanto tempo e quando não conseguiram entrar em contacto com os militares em questão.

Os autores do #Crime mataram também a tiro um civil e feriram gravemente uma mulher a cerca de cinco quilómetros do local onde tinham abatido o GNR.

O guarda que foi encontrado na bagageira acabou por perder a vida. O ferido foi posteriormente transportado para o Hospital de Viseu. O militar sofreu vários ferimentos de bala na face e, apesar de já se encontrar estabilizado, ainda inspira cuidados e requer muita vigilância.

Carlos Filipe Gomes Caetano, com 29 anos, natural da Quinta das Lameiras, em Aguiar da Beira, era o militar da GNR que hoje perdeu a vida. Foi mais um profissional da guarda que caiu no cumprimento do dever, tal como tinha acontecido com o militar da GNR Bruno Chaínho, no Pinhal Novo.

Operação em curso

Está a decorrer uma operação de enorme envergadura no distrito da Guarda, nos distritos limítrofes e ainda em todo o território nacional para serem encontrados os dois suspeitos.

Para essa operação foram também chamados os GIOE (Grupo de Intervenção e Operações Especiais) da GNR, dada a perigosidade do grupo. Esta operação envolve todos os meios disponíveis da GNR e ainda outras forças e serviços de segurança. A mesma pretende controlar fronteiras e ainda determinados pontos do território nacional, para que mais rapidamente possam localizar e capturar os suspeitos. O helicóptero que transportou os militares do GIOE ao local sobrevoou ainda a área.

Os dois suspeitos são considerados perigosos e um deles já foi identificado. Encontrava-se já referenciado por outras atividades criminosas e, além disso, duas viaturas suspeitas foram igualmente referenciadas.

Já será conhecida a identidade do suspeito da morte de um militar da GNR e do civil em Aguiar da Beira. O alegado autor dos crimes chama-se Pedro Dias, é piloto de aviões e é de Arouca. Estará fortemente armado e as autoridades pedem a quem o localize que avise de imediato pelo 112.

Há conhecimento de um terceiro militar da GNR baleado, aumentando assim a lista de vítimas: um militar da GNR e um civil mortos, dois militares da GNR feridos e uma civil que ficou gravemente ferida. Foi decretado recolher obrigatório em Manhouce, São Pedro do Sul, pela própria #Polícia, para assim minimizar a exposição dos cidadãos ao perigo.

Existe uma grande probabilidade de os suspeitos já se encontrarem em Espanha.