Dois trabalhadores da construção civil, naturais de Fafe e com 51 e 56 anos, morreram esta segunda-feira, 28 de Novembro, após a derrocada de um prédio em obras. O trágico acidente ocorreu ao início da tarde no centro de Lisboa. As vítimas ficaram soterradas nos escombros. A confirmação da segunda morte só aconteceu ao final da tarde depois de ter sido localizado pelos Sapadores #Bombeiros de Lisboa.

O alerta foi dado por cerca das 12 horas para uma obra num prédio da Rua Alexandre Herculano, em Lisboa. Uma empreitada a cargo do Grupo Casais, uma empresa de construção civil com sede em Braga. O comandante do Regimento de Sapadores Bombeiros de Lisboa, tenente-coronel Pedro Patrício, tratou-se da derrocada de três pisos, tendo as “lajes interiores” caído para dentro do designado “saguão”. O Grupo Casais confirmou, na sua página na internet, a existência da derrocada, tendo concentrado os seus “esforços e atenção” no apoio aos bombeiros e à protecção civil para “apurar as circunstâncias do acidente”.

Ao início da tarde, foi confirmada a morte de um trabalhador, e só pelas 18 horas, foi anunciada a localização da segunda vítima soterrada nos escombros. As duas vítimas foram identificadas como dois homens, de 51 e 56 anos, residentes em Fafe, e trabalhadores da respectiva empresa bracarense. Para além dos bombeiros, foi accionada para o local uma equipa cinotécnica da Polícia de Segurança Pública (PSP), especializada em localizar cadáveres soterrados em escombros. Isto, enquanto os bombeiros estavam empenhados na remoção dos destroços, salvaguardando a segurança dos operacionais envolvidos no resgate dos corpos.

Às 18 horas, o comandante do Regimento dos Sapadores Bombeiros de Lisboa esclarecia os jornalistas que um dos corpos já teria sido removido do local, enquanto o segundo estaria para breve. Segundo o tenente-coronel Pedro Patrício, os operacionais no terreno estavam a trabalhar sob um “perigo iminente” já que as estruturas que desabaram poderiam voltar a ceder a qualquer momento. O que obrigava a um trabalho minucioso e lento. O mesmo comandante adiantava, igualmente, que ainda não estavam reunidas as condições para que os inspectores da Autoridade para as Condições no Trabalho (ACT) pudessem entrar na obra no âmbito da respectiva investigação das causas que estiveram na origem daquele acidente. #Óbito #Acidente de Trabalho