Foi com um enorme aparato policial e fortes medidas de segurança que o suspeito do duplo homicídio em Aguiar da Beira, Pedro João Dias, chegou ao tribunal da Guarda esta quinta-feira (10 de Novembro), pelas 11:06 horas aproximadamente, conforme todos pudemos assistir através da televisão. Chegou na companhia de inspectores da #Polícia Judiciária, e foi finalmente ouvido por um juiz em primeiro interrogatório judicial. Foi atribulada a chegada do arguido ao tribunal, pois foi fortemente vaiado pelos populares que estavam presentes no local.

Perante o magistrado, o alegado homicida de Aguiar da Beira, pelo que parece, não se pronunciou e manteve-se em silêncio.

A prisão preventiva foi a medida de coacção atribuída a #Pedro Dias, e foi justificada por existir elevado perigo de fuga, por poder haver continuação da actividade criminosa, de perturbação do inquérito e ainda de poder causar mesmo alarme social. A prisão preventiva foi decidida pelo juiz de instrução, que o ouviu no tribunal da Guarda e decidiu, assim, pela medida de coação mais gravosa. Ficou ainda expressamente proibido de contactar qualquer familiar da vitima.

Pedro Dias está neste momento acusado oficialmente da autoria material de dois crimes de homicídio qualificado, três de homicídio qualificado na forma tentada, três crimes de sequestro e até de um de roubo.

O alegado homicida de Aguiar da Beira, após aguentar-se durante 29 dias em fuga às autoridades, entregou-se inesperadamente na terça-feira passada (8 de Novembro) à Polícia Judiciária (PJ), a poucos metros da Câmara Municipal de Arouca e da casa dos próprios pais, debaixo das câmaras da RTP e acompanhado por três advogados e por elementos representantes de um jornal local de Coimbra.

Segundo a comunicação social, a PJ, nas últimas 24 horas, constituiu igualmente como arguida uma mulher de 61 anos, que é uma ex-professora de Pedro Dias, por existirem fortes suspeitas de o ter ajudado a esconder-se nos últimos dias. O crime de favorecimento pessoal pode eventualmente ser punido com 3 anos de prisão. #crime de aguiar da beira