Os #Bombeiros sapadores e municipais vão finalmente ter melhores condições para socorrer as populações. É a intenção do secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, que nesta quinta-feira, dia 5 de janeiro, esteve reunido com a Associação Nacional de Bombeiros Profissionais (ANBP) para discutir o novo estatuto de carreira.

Publicidade

Segundo o presidente da ANBP, Fernando Curto, este novo diploma vai “dar formação igual em todos os corpos de bombeiros”, descongelamento na progressão da carreira de forma idêntica em todo o país, “porque neste momento há câmaras que têm procedimentos de uma maneira, porque não têm sustentabilidade legal outras têm de outro, conforme as necessidades”.

Publicidade

Fernando Curto acrescenta ainda que o novo estatuto “vai dar uniformização na carreira, portanto, não vamos ter bombeiros profissionais, sapadores e municipais, parece que temos bombeiros de primeira e segunda, não, vamos ter bombeiros profissionais”.

Reivindicação com mais de 10 anos

No final da reunião com a Associação Nacional dos Bombeiros Profissionais, o secretário de Estado da Administração Interna, Jorge Gomes, informou que tenciona ter o diploma concluído até 31 de março. Esta é uma reivindicação dos bombeiros profissionais com mais de 10 anos. A última revisão do diploma data de 1992. Durante o anterior #Governo de Passos Coelho, os bombeiros profissionais (sapadores e municipais) realizaram várias manifestações em Lisboa para reivindicar, sem sucesso, o novo estatuto de carreira.

Publicidade

Fernando Curto acredita que com esta nova #Legislação “o bombeiro profissional, para além de sair mais dignificado, sai com melhores condições para prestar melhor socorro".

O Ministério da Administração Interna vai continuar em negociações. Durante as próximas semanas estão previstas reuniões com a ANBP e o Sindicato dos Trabalhadores da Administração Local. Concluída esta fase negocial, a proposta do novo estatuto de carreira ainda tem de ser aprovada pelo Ministério das Finanças e só depois será apresentada em Conselho de Ministros.