Carlos Gouveia, um recluso que tem por alcunha “Animal”, voltou a desafiar as autoridades prisionais depois de ter barrado as paredes da cela onde se encontrava com fezes e urina, o que, obviamente, revoltou os #guardas prisionais que com ele têm de lidar diariamente. O detido, de 33 anos, encontra-se actualmente a cumprir pena no Estabelecimento Prisional de Vale de Judeus, ficando 23 horas por dia fechado numa cela disciplinar devido ao seu comportamento. Carlos Gouveia, além de não ter os cuidados de higiene adequados, é também agressivo e apresenta atitudes violentas.

Publicidade

O seu desrespeito para com os guardas prisionais é evidente, sendo que depois de ter sujado a sua cela com fezes e urina se recusou a limpar o espaço.

Publicidade

Por ser bastante violento e representar um perigo iminente para a saúde, os guardas prisionais pediram agora a transferência do detido para o internamento ou mesmo para uma reclusão psiquiátrica, conforme se pode ler na edição desta segunda-feira (27 de Fevereiro) do Correio da Manhã.

Esta já não é a primeira vez que Carlos Gouveia apresenta tal comportamento. Em 2010, o Estabelecimento Prisional de Paços de Ferreira, onde o recluso se encontrava a cumprir pena, teve mesmo de solicitar a acção de uma equipa especializada do Grupo de Intervenção e Segurança Prisional (GISP), devido ao detido de ter recusado terminantemente em limpar a cela, que se encontrava num estado de sujidade deplorável com fezes e urina.

Os elementos do GISP, após várias tentativas de abordar o “Animal” para que ele limpasse o local, e perante a sua decisão de não acatar as ordens e ter revelado um comportamento agressivo, recorreram a uma arma eléctrica denominada por TASER para o dominar.

Publicidade

Essa acção terá sido filmada pelos guardas e, em 2011, acabou por se tornar de conhecimento público quando alguém resolveu publicar o referido vídeo no YouTube. Evidentemente, os guardas acabaram por ser processados e julgados no tribunal de Paços de Ferreira , tendo dois deles sido acusados de coação e os restantes de filmagem ilícita. Dois desses guardas prisionais foram mesmo condenados por esse tribunal a oito meses de #Prisão, suspensos por um ano, por terem efectuado os disparos com a TASER. #Vale dos judeus