Roberto Ulloa, um dos chilenos que no passado domingo (19 de Fevereiro) fugiu do Estabelecimento Prisional de #Caxias, foi esta quarta-feira (22 de Fevereiro) apanhado em flagrante delito e detido pelas autoridades espanholas durante um assalto em Barcelona, como já avançou o jornal Expresso na sua edição. Como já existia um mandado de detenção europeu em nome dele, mais um processo de extradição para Portugal terá início.

Com ele, foram três os detidos que fugiram, dois de nacionalidade chilena e um luso-israelita. Fugiram após terem serrado as grades da janela da cela onde se encontravam. Os chilenos e o português aguardavam julgamento em prisão preventiva por furtos e roubos. Tinha-lhes sido decretada a medida de coacção mais gravosa exactamente pela existência de forte possibilidade de eles continuarem a praticar os mesmos crimes.

Roberto Ulloa e Jorge Naranjo, os dois chilenos, tinham sido detidos ambos no aeroporto de Madrid, no domingo passado (19 de Fevereiro), mas como ainda não estavam prontos os mandados de detenção europeus e Ulloa possuía todos os documentos em ordem foi deixado em liberdade, por não existirem motivos de detenção.

Quanto a Naranjo, que foi encontrado na posse de documentos de identificação falsos, acabou mesmo por ficar detido, foi presente ao juiz para primeiro interrogatório judicial na segunda-feira (20 de Fevereiro) à noite, tendo tido início o processo de extradição dele para Portugal. Agora será uma questão de dias até a documentação estar toda em ordem e o detido ser entregue as autoridades portuguesas, ficando até lá sob a guarda e responsabilidade das autoridades espanholas.

Entretanto o Joaquim Bitton Matos (luso-israelita) continua em fuga e as autoridades portuguesas prosseguem as buscas para tentarem capturar o último fugitivo do estabelecimento prisional de Caxias. Todas as forças e serviços de segurança estão empenhados na captura dos três fugitivos, entre elas a #Polícia de Segurança Pública (PSP), a Guarda Nacional Republicana (GNR) e os serviços prisionais. Entretanto, o próprio Serviço de Auditoria e Inspecção dos Serviços Prisionais já se encontra a investigar para que sejam apurados factos e responsabilidades. #evadidos