É um dos maiores julgamentos de sempre em Portugal. A "Operação Labirinto" ou como é conhecido o caso dos "#Vistos Gold" começou a ser julgado dia 13 de fevereiro, no Campus da Justiça, em Lisboa, e envolve antigos dirigentes da Administração Pública. Entre os 17 arguidos singulares, está o ex-ministro da Administração Interna do Governo de Passos Coelho, Miguel Macedo, o ex-diretor nacional do Serviço de Estrangeiros e Fronteiras (SEF), Manuel Jarmela Palos, e o ex-presidente do Instituto de Registos e Notariado (INR), António Figueiredo.

Para além dos arguidos singulares, há também quatro empresas no banco dos réus. Neste primeiro dia de #Julgamento, o advogado Castanheira Neves mostrou-se convicto de que Miguel Macedo será absolvido das acusações de prevaricação e tráfico de influência e considerou "infundadas" as imputações do Ministério Público. Admitiu ainda que o ex-ministro só deverá prestar esclarecimentos ao coletivo de juízes presidido por Francisco Henriques no final do julgamento. Mas à saída da primeira audiência não prestou declarações aos jornalistas. "O que tinha para dizer disse em exposições introdutórias, portanto, ficou dito no local próprio, na sala das audiências", declarou Castanheira Neves.

Já o advogado de António Figueiredo falou à imprensa. Rogério Alves foi perentório: "Nós entendemos que os factos imputados ao doutor António Figueiredo não constituem crime e portanto não se pode confessar o que não se fez, não se podem confessar crimes que não se praticaram".

21 arguidos, 400 testemunhas

A defesa dos três arguidos chineses disse ainda que no processo haverá informação pouco precisa. "Neste processo já notamos que, por exemplo, a propósito de escutas telefónicas, escutas de conversas em chinês, às vezes, as traduções são pouco rigorosas", denunciou à saída da audiência Paulo Sá e Cinha, advogado de Zhu Xiandong, Zhu Baoe e Xia Baoling.

Este julgamento ainda não tem data prevista para terminar. Mas pela quantidade de arguidos, 21, de testemunhas de defesa e de acusação, 400, e de páginas do processo, mais de 30 mil, acredita-se que só no final do próximo ano poderá estar concluído. Até lá, as sessões de julgamento do processo "Vistos Gold" vão decorrer semanalmente à segunda, terça e quarta-feira. #corrupção