No dia 13 de maio de 2017 assinala-se em #Fátima o centenário das aparições e o país irá receber a visita de sua santidade o #Papa Francisco, nos dias 12 e 13 de maio, para apadrinhar essas mesmas comemorações. A vinda de uma entidade desse nível requer segurança máxima e obriga a cuidados redobrados e muita vigilância por parte das nossas #forças de segurança. Assim sendo, tendo em vista a preparação da operação de segurança para a visita papal, estão a ser implementadas medidas de segurança especiais.

Mais armas e equipamentos para a GNR e para a PSP

Para a Guarda Nacional Republicana (GNR), desde sempre a responsável pela segurança nessa região, foram adquiridas 150 pistolas-metralhadoras HK-MP5, de fabrico alemão, e 200 coletes anti-bala.

Publicidade
Publicidade

Foram também adquiridas 17 malas de protecção balística, 15 malas tácticas, 18 malas codificadas para armas e 80 kits tácticos de emergência médica para a Polícia de Segurança Pública (PSP). Todas essas aquisições contaram com a aprovação prévia do governo português.

Segundo as informações avançadas esta sexta-feira (3 de Março) pelo Jornal de Negócios, todo o equipamento para a GNR custou aproximadamente 410 mil euros, e para a PSP, cerca de 30 mil euros. Todas as verbas sairam do orçamento da Secretaria-Geral do Ministério da Administração Interna (MAI). Tudo para que as forças de segurança fiquem equipadas e possam assegurar o sucesso da segurança do representante máximo da igreja católica.

César Nogueira, presidente da Associação de Profissionais da Guarda (APG), referiu, no entanto, que a GNR já usou uma arma similar à MP5, a pistola-metralhadora FAMAE, mas como era pouco segura e pouco fiável não era mais usada.

Publicidade

A HK-MP5, que pesa cerca de 3,5 quilos, tem 9 milímetros de calibre e o seu carregador leva 30 balas, é uma das pistolas-metralhadoras mais usada pelas forças de segurança, pela Guarda Suíça no Vaticano e pelos serviços secretos e exércitos de mais de 40 países.

Todo o plano de segurança para a visita do Papa Francisco está já em fase final de preparação e além de contar com a PSP e a GNR, envolve igualmente a participação do Exército Português.