Durante 12 anos, um homem, de 56 anos, carpinteiro de profissão, terá abusado sexualmente de um vizinho de 26 anos e com diagnóstico de doença do foro mental. O homem foi agora detido pela Polícia Judiciária. O indivíduo aproveitaria o facto de ter confiança com os progenitores da vítima e a própria doença psiquiátrica da mesma para perpetuar os abusos sexuais. O jovem frequentava uma instituição e foram os técnicos que descobriram que algo de errado se passava, pois o comportamento do rapaz tinha-se alterado. Foi então o próprio que acusou o agressor, que acabou por ser detido, tendo sido mais tarde posto em liberdade pelo juiz. O carpinteiro está proibido de contactar a vítima e de se afastar do seu domicílio, segundo o site Correio da Manhã.

Publicidade
Publicidade

Outros casos

Em Coimbra, no ano de 2012, uma progenitora foi suspeita de conceder abusos sexuais, perpetuados por três homens, à sua filha com deficiência mental profunda. Em troca recebia dinheiro e produtos agrícolas. A vítima, na altura com 41 anos, foi entregue aos cuidados de outros parentes. Segundo a Polícia Judiciária, os crimes começaram em 2010. Contudo, as autoridades acreditam que os abusos possam ter começado há mais anos e, muito possivelmente, com outros indivíduos.

Os vizinhos notavam que a casa, onde vivia apenas mãe e filha, era bastante frequentada por homens e vizinhos da família. De acordo com a polícia, a progenitora é acusada de permitir os encontros de foro sexual com a filha a troco de batatas e dinheiro. Um dos suspeitos, de 68 anos, é reformado e foi emigrante em França, onde foi acusado de abuso sexual a um menor.

Publicidade

Os restantes homens eram um homem reformado, com 70 anos, e um trabalhador da construção civil, com 54 anos, segundo o Diário de Notícias.

Em abril deste ano, a Polícia Judiciária deteve dois indivíduos, de 52 e 31 anos, suspeitos de crimes sexuais. Uma das vítimas tem 18 anos, é filho do agressor e apresenta uma deficiência mental. A proximidade de foro sexual ocorria em Cantanhede há cerca de oito anos. Relativamente à outra vítima, de 15 anos, os encontros aconteciam desde fevereiro de 2017. O suspeito de 52 anos foi detido.

Já o indivíduo de 31 anos, casado e de Tondela, terá abusado de três crianças, duas das quais eram irmãs, entre os 12 e 14 anos. O homem foi detido, sabe-se que não tem profissão, nem cadastro e é acusado de vários crimes sexuais que foram denunciados pelos vizinhos às autoridades. O suspeito utilizava as redes sociais, nomeadamente o Facebook, para se aproximar das vítimas. #Crime #Violência