Os #enfermeiros iniciaram esta segunda-feira (11 de Setembro) uma #Greve nacional de cinco dias. Os profissionais de enfermagem reivindicam várias coisas, sendo a principal a actualização da carreira e a introdução da categoria de especialista na mesma. A aplicação do regime de 35 horas semanais para todos os enfermeiros e o respectivo aumento dos ordenados consoante as diferentes categorias são mais duas das suas reivindicações. Esta greve nacional, marcada pelo Sindicato Independente dos Profissionais de Enfermagem e pelo Sindicato dos Enfermeiros, ficará certamente para sempre na história da enfermagem, por ter sido a greve que mais enfermeiros uniu.

Publicidade
Publicidade

"Basta" foi a palavra de ordem dos enfermeiros

Foi no primeiro dia da greve que os enfermeiros se manifestaram. Do norte ao sul do país, passando também pelas ilhas, os protestos desses profissionais ouviram-se a uma só voz, sendo que os gritos que mais se ouviam eram: "Basta", "Respeito", "Justiça", "Não temos medo", "Enfermeiros unidos jamais serão vencidos" e ainda "Queremos uma carreira".

As maiores manifestações ocorreram no Porto e Lisboa

As manifestações que conseguiram reunir um maior número de manifestantes aconteceram no Hospital de São João, no Porto, e no Hospital de Santa Maria, em Lisboa. No Porto contaram com a presença do enfermeiro Azevedo, o presidente do Sindicato dos Enfermeiros, e em Lisboa, foi mesmo a bastonária da Ordem dos Enfermeiros que esteve presente na manifestação.

Publicidade

Ambos deixaram bem claro o apoio a todos os enfermeiros. Nunca os enfermeiros foram tão facilmente reconhecidos como esta segunda-feira em frente do Hospital de São João, dado que todos eles envergavam t-shirts pretas, sendo que alguns até vestiam de negro dos pés à cabeça.

Comunicação social em força no Hospital de São João no Porto. A PSP também esteve presente

A comunicação social esteve presente em peso em ambas as manifestações e os enfermeiros foram notícia de abertura de todos os telejornais daquele dia. No Porto estiveram presentes a SIC, a TVI, a RTP, o Correio da Manhã, o Porto Canal e o Jornal de Notícias, e nunca estes profissionais foram tão falados.

Tentaram evitar que os enfermeiros se manifestassem, mas com isso, acabaram por motivá-los ainda mais. Também a última entrevista que o jornalista Bento Rodrigues fez ao ministro da saúde terá dado o mote para os enfermeiros se unirem ainda mais. E por isso mesmo pudemos ver, nos diferentes canais de televisão, os vários cartazes que os profissionais de enfermagem erguiam bem alto com uma só palavra repetida: basta, basta, basta.

Publicidade

Também a Polícia de Segurança Pública (PSP) do comando metropolitano do Porto esteve presente para garantir que tudo decorria em segurança.

A opinião pública e os enfermeiros

A opinião pública encontra-se dividida, uns estão do lado dos enfermeiros, outros nem tanto. Mas o que é certo é que quando se encontram num hospital, são esses mesmos enfermeiros que estão 24 horas com os doentes, são esses mesmos enfermeiros que dão a mão aos doentes quando eles precisam de uma mão amiga, que dão uma palavra quando é preciso apoio, que dão esperança quando esta parece já perdida, são esses mesmos enfermeiros que, mesmo com problemas pessoais, tudo fazem para não deixarem transparecer isso enquanto tratam e cuidam dos doentes, que tudo fazem para vos tirar as dores e vos deixarem o melhor possível. Os enfermeiros são mesmo gente que cuidam de gente, nunca esqueçam disso. E antes de os criticarem, reflictam nisso! #sindicatos