Foi no dia 11 de Julho que dezoito agentes da Polícia de Segurança Pública (PSP) da Esquadra de Alfragide tiveram conhecimento que tinham sido acusados pelo Ministério Público (MP) por denúncia caluniosa, injúria, ofensa à integridade física e falsidade de testemunho, sequestro agravado e falsificação de documento, e ainda por outros tratamentos cruéis e degradantes ou desumanos a jovens da Cova da Moura. Devido a esta acusação do próprio Ministério Público, o Tribunal de Sintra requereu a imediata suspensão de funções dos agentes em questão, tal como o Correio da Manhã avançou esta quinta-feira (7 de Setembro) na sua edição informativa. Segundo os responsáveis, o pedido da suspensão foi feito para evitar riscos na #Segurança e tranquilidade públicas.

Publicidade
Publicidade

Os agentes da #PSP acusados, e agora tornados arguidos, encontram-se no momento sujeitos a termo de identidade e residência.

Foi em Fevereiro de 2015, que alguns jovens tentaram invadir a esquadra da PSP de Alfragide, no concelho da Amadora, após um deles ter sido detido. O jovem que acabou detido e levado para a esquadra de Alfragide tinha arremessado uma pedra contra uma carrinha policial, que apenas patrulhava as ruas do bairro da Cova da Moura. Do arremesso dessa pedra resultou um polícia ferido. O agente ficou com ferimentos no rosto e nos membros superiores, pelo que acabou por ser transportado para o hospital de Amadora-Sintra para receber o tratamento necessário.

Posteriormente à detenção do jovem que atirou a pedra, os restantes jovens do grupo tentaram invadir a esquadra, pelo que os agentes lá presentes foram mesmo forçados a disparar para o ar para intimidar os invasores e fazê-los desmobilizar.

Publicidade

Cinco dos invasores acabaram de igual forma detidos, mas os restantes colocaram-se logo em fuga. Os últimos detidos, devido a ferimentos ligeiros que apresentavam, foram levados para o hospital.

Como é habitual nestes casos, a Inspecção-Geral da Administração Interna (IGAI) iniciou uma investigação à acção da PSP nos incidentes no Bairro da Cova da Moura e na esquadra de Alfragide logo após os acontecimentos. Quanto ao Ministério da Administração Interna (MAI) processou disciplinarmente nove desses elementos da PSP, tendo no entanto a 7 de Julho arquivado os processos dos restantes.

E, como todos sabemos, a presunção de inocência é algo que deverá sempre manter-se até trânsito em julgado, e então, a própria Direcção Nacional da PSP também proferiu isso mesmo. #esquadradealfragide