Neste momento, encontra-se em curso uma verdadeira caça ao homem criada pela Guarda Nacional Republicana (GNR) de Castelo Branco. No terreno encontram-se elementos de diferentes valências dessa mesma força policial: Destacamento Territorial, Destacamento de Trânsito e Destacamento de Intervenção também.

As forças policiais estão no encalce de um homem considerado perigoso e alegadamente armado. Tem na sua posse uma arma de fogo, que roubou a um militar da GNR depois de o ter agredido à pedrada.

Tudo aconteceu na manhã de hoje (10 de Janeiro), durante uma simples fiscalização de trânsito da GNR, na localidade de Maxiais, em Castelo Branco.

Um homem alegadamente de etnia cigana, que ia ao volante de uma viatura, desrespeitou uma ordem de paragem efectuada pelos agentes de autoridade e colocou-se em fuga. Nessa mesma viatura viajavam também outro homem e quatro mulheres, todos também da mesma etnia que o condutor.

Assim que o indivíduo se colocou em fuga, logo teve início uma #perseguição policial a fim de localizarem e capturarem os fugitivos. Aproximadamente cinco quilómetros após o inicio da perseguição policial, a viatura que a GNR perseguia acabou por se despistar sozinha.

E foi nesse momento que o condutor, aproveitando o facto de o militar mais próximo estar de costas, atacou-o à traição com pedras e atingiu-o na cabeça, deixando-o a sangrar e debilitado, aproveitando ainda para lhe retirar a arma de fogo, e colocar-se em fuga mais uma vez.

Contou ainda com a ajuda de uma mulher que viajava com ele para imobilizar o guarda.

Segundo duas testemunhas, terá existido uma breve troca de tiros na altura do despiste da viatura dos suspeitos.

Devido à natureza das lesões sofridas, o militar da GNR foi prontamente transportado para o Hospital Amato Lusitano em Castelo Branco, para receber os tratamento médicos adequados. Segundo o que o Jornal de Notícias já avançou esta tarde, o militar, após ter sido suturado teve alta e já se encontra em sua casa.

As três mulheres e o segundo homem foram pouco tempo depois detidos. Duas delas, com 37 anos de idade, as supostas agressoras, vão ser presentes ao tribunal de Castelo Branco, e ficam detidas até lá. A terceira mulher era menor, com 15 anos de idade apenas. Quanto ao segundo homem, como não tomou parte da agressão, não ficou detido.

Relativamente ao condutor da viatura, continuou a sua fuga apeado e está actualmente com paradeiro incerto. Todavia, as forças de #Segurança estão a envidar todos os esforços para conseguirem localizarem e capturarem o fugitivo. #militares da gnr