Foi em Lisboa, no Arquivo Contemporâneo do Ministério da Finanças, em 2013, que um investigador encontrou um conjunto de documentos designados de "Material - Aquisição de um grupo de imóveis denominado 'Ilhas Desertas".  Os mesmos asseguram a compra das Ilhas Selvagens em 1971, por parte do Estado Português. Uma das mais relevantes evidências presente naquele material é a aprovação de compra dada pelo Governador do Funchal, António Braamcamp Sobral.

Entre 1864 e 1971, as Ilhas Selvagens pertenceram às famílias inglesas Cossart e Hinton. Na década de 60 do século XIX, Henry Hinton e Charles Cossart, tinham adquirido os terrenos em leilão.

Publicidade
Publicidade

A caça e a pesca foram os fins dados às Ilhas.

Em 1904, Costa Noronha, era mais um dos proprietários daquelas terras. Com várias dívidas financeiras, fruto do azar no jogo, optou por vender as suas Ilhas ao pai do banqueiro de Luís Rocha MachadoEm 1967, Rocha Machado tinha em mente ceder temporariamente as suas Ilhas a Alexander Zino. Este "candidato" era um inglês que morava na Madeira, e tinha a ambição de construir naquele local uma reserva natural que acolhesse cagarras. Mais tarde, chamou a atenção da World Wildlife Fund. Por iniciativa de Bernhard de Lippe-Biesterfeld (príncipe holandês que dirigia aquela instituição) o desejo em comprar as Selvagens era sincero.

Manuel Ricardo Espírito Santo, que era descendente do presidente da altura do Banco Espírito Santo e Comercial de Lisboa, foi uma forte influência na aquisição das Ilhas Selvagens pelo Estado Português.

Publicidade

Não está comprovado, mas é possível que esta instituição tenha o sido mecenas desta complexa mas bem sucedida aquisição dos portugueses. O Estado Português garantia assim a posse das Ilhas e também foi ele que seria responsável pela transformação daquele sítio num "templo" da natureza. De forma a concluir este processo, "só" faltava mesmo oficializar o acordo e desembolsar a quantia a pagar aos proprietários.

No dia da formalização da compra do estado português, em dezembro de 1971, Anthony Miles, que representou a sua família Cossart, no Palácio de São Lourenço, no Funchal, referiu ao Sábado que Braamcamp Sobral disse a George Welsh, (herdeiro dos Hinton): "Já assinei a escritura, mas o dinheiro ainda não recebi (…)". Tratava-se de uma quantia total de 3200 contos. Esse valor, foi entregue minutos depois, em notas inseridas em envelopes por trabalhadores do Banco de Portugal. George Welsh ainda perguntou se, era possível o valor ser pago em cheque de forma a simplificar a operação.

Publicidade

Desculpando-se, Braancamp afirmou que este acordo só podia ser realizado desta forma, pois assim ditavam razões conjunturais (mais especificamente os prazos estipulados para pagamento, e as estimativas económicas).

Recentemente, devido a vários interesses, a Espanha decidiu colocar em causa a soberania portuguesa em relação as Ilhas Selvagens. Para além desta polémica Ibérica, o território também foi falado por um motivo positivo: ficou associado a um feito no Surf.