O Juiz Carlos Alexandre aceitou o pedido do movimento Revolução Branca para ser assistente do Ministério Público em todo o processo que envolve o ex-primeiro ministro. Este movimento revolucionário comunicou nesta tarde de quarta-feira que o juiz Carlos Alexandre admitiu que fosse assistente em todo o processo da Operação Marquês, que levou José Sócrates à prisão preventiva. "O MRB apresentou o pedido para ser constituído assistente dias depois à detenção feita a José Sócrates. O resultado desse pedido foi favorável às nossas pretensões e iremos agora esperar por todo o desenvolvimento que este vai ter para agir em conformidade", afirmou Pedro Pereira Pinto, um dos responsáveis pelo Movimento Revolução Branca.

Publicidade
Publicidade

"Decidimos avançar com este pedido por causa da gravidade do processo que envolve o antigo primeiro-ministro de Portugal, José Sócrates. Temos chamado várias vezes à atenção do povo português para os vários interesses escondidos que usam e abusam dos partidos políticos com maior acesso ao poder no país. Estes interesses têm sido usados de forma a explorar de forma selvagem todos os cidadãos, algo que provoca em nós uma grande revolta", salientou Pedro Pereira Pinto. Este responsável justificou ainda este pedido referindo que se trata de ajudar no combate "à corrupção que é uma das bandeiras de luta do Movimento Revolução Branca. Fomos criados com o intuito de moralizar o Estado e os seu serventes", continua.

Sobre a actuação no processo, Pedro Pinto refere em primeiro lugar que se trata de uma oportunidade única para o movimento no sistema judicial português, mas que este tipo de pedidos não vai ficar por aqui.

Publicidade

"Nos próximos dias vamos fazer um novo pedido para que o movimento seja constituído assistente relativo no caso dos vistos gold", revela.

É de salientar que o ex-primeiro ministro, José Sócrates, encontra-se preso de forma preventiva no Estabelecimento Prisional de Évora por suspeita de crimes de corrupção, branqueamento de capitais e ainda de fraude fiscal qualificada. Este caso denominado como Operação Marquês está relacionado com uma alegada dissimulação ilegal de património e de vários pactos financeiros de largos milhões de euros. Sócrates foi detido no passado dia 21 de Novembro em pleno aeroporto de Lisboa, após ter regressado de uma viagem efectuada a Paris, estando em Évora desde 25 de Novembro do ano que findou. #Justiça