No encerramento das jornadas parlamentares do partido, que decorreram esta sexta e sábado, dia 13 e 14, em Vila Nova de Gaia, Costa prometeu uma espécie de complemento solidário para as crianças e jovens. O líder do Partido Socialista (PS) afirmou que pretende erradicar a pobreza que atinge a faixa etária mais juvenil, à semelhança daquilo que foi feito por Sócrates com o Complemento Solidário para Idosos (CSI). "Aquilo que temos de fazer é, agora, para as crianças e jovens o que já no passado tínhamos feito para os mais idosos: concentrar os nossos recursos", alegou António Costa.

Ao contrário do complemento solidário criado por Sócrates, que tinha como destino os mais idosos, a nova prioridade do PS passará a ser as crianças e os jovens portugueses que vivem situações de pobreza.

Publicidade
Publicidade

Segundo António Costa, a pobreza juvenil contribui para o "retrocesso do país" sendo assim imprescindível tomar medidas que combatam uma situação que cada vez mais abala a população portuguesa. O mesmo acrescentou ainda que é nas crianças e jovens (compreendidos entre os 0 e os 18 anos de idade) que a pobreza mais aumentou, sendo cerca de 570 mil os que estão em risco.

Porém, tendo em conta a faixa etária da população em causa, não haverá apenas uma medida única como aconteceu com o CSI. Enquanto o complemento solidário destinado aos idosos poderia ser feito por uma compensação nas pensões, o mesmo não poderá ser feito para as crianças e jovens, dado que estes dependem dos pais ou de outro encarregado de educação. Deste modo, será necessário um conjunto de medidas que ainda não foram anunciadas.

Publicidade

Para além deste tópico, discutido no âmbito do encerramento das jornadas parlamentares do PS, Costa fez uma breve análise aos 4 anos de governação do atual primeiro-ministro. O líder socialista apontou que a "austeridade expansionista" que carateriza a governação de Pedro Passos Coelho falhou e contribuiu para o crescimento da dívida. Contudo, António Costa não referiu quaisquer medidas que pudessem solucionar esta austeridade e aumento da dívida que o próprio salientou.