José Sócrates, antigo primeiro-ministro português, está detido de forma preventiva desde finais de Novembro último, mas ainda que não tenha sido acusado formalmente, a esposa de Carlos Santos Silva não tem dúvidas: Sócrates é o principal responsável pela "desgraça" que se apoderou da família do empresário da Covilhã. A notícia, avançada pelo Correio da Manhã (CM), refere que a mulher de Santos Silva defende aquela opinião desde a noite que culminou com a detenção do seu marido. De resto, aquando do depoimento feito a elementos da inspecção tributária, a testemunha deixou claro que a aproximação de Santos Silva a José Sócrates foi sinónimo de ruína da família.

Publicidade
Publicidade

Recorde-se que, além de José Sócrates e Carlos Santos Silva, também João Perna, ex-motorista de Sócrates, entretanto colocado em liberdade, havia sido detido no âmbito do "caso Marquês".

A mulher de Santos Silva, que autorizou as buscas domiciliárias, manifestou desconhecimento total em relação aos 25 milhões de euros que se encontravam em contas bancárias suíças e que depois chegaram a território nacional fruto da amnistia fiscal elaborada pelo, então, executivo de José Sócrates. Conta o CM que a testemunha deixou no ar a possibilidade daquele montante pertencer ao antigo líder socialista e não ao seu marido, Carlos Santos Silva.

A situação está longe de ser favorável. Além das contas congeladas, as empresas de Santos Silva estão em risco de falência, pelo que a esposa do empresário da Covilhã pode vir a assumir um papel crucial como testemunha em todo este caso.

Publicidade

Nesse sentido, a advogada procura que o seu depoimento seja "desvalorizado", na medida em que foi feito sem a presença de qualquer advogado e obtido com recurso a coação. Certo é que o testemunho da mulher de Santos Silva já está na posse do Tribunal da Relação e será tido em consideração no recurso.

José Sócrates é o recluso número 44 do Estabelecimento Prisional de Évora e encontra-se preso preventivamente por indícios de corrupção, branqueamento de capitais e fraude fiscal qualificada. Note-se que a medida de coação aplicada ao ex-primeiro-ministro foi recentemente avaliada pelo juiz Carlos Alexandre, que determinou a continuidade de Sócrates em prisão preventiva. #Justiça