O atual AltoComissário das Nações Unidas para os refugiados, António Guterres, esteve na passada quinta-feira, dia 9, em Bruxelas para uma reunião com o Presidente da Comissão Europeia, Jean-Claude Juncker, sobre a situação dos refugiados na Síria. Após essa reunião, foi entrevistado pela Euronews, à qual garantiu que não será candidato às eleições Presidenciais Portuguesas de 2016.

António Guterres afirmou que, apesar da posição de chefe de Estado Português ser particularmente importante para garantir o equilíbrio e estabilidade do País, este cargo não lhe permite a mesma ação e intervenção que tem atualmente em prol daqueles que mais precisam de apoio.

Publicidade
Publicidade

Assim, António Guterres declara que prefere manter-se a trabalhar em política internacional com as funções que atualmente exerce no Alto Comissariado das Nações Unidas para os Refugiados(ACNUR). Recorde-se ainda que o nome de António Guterres é apontado como possível candidato a Secretário-Geral da ONU, estando alegadamente empenhado nessa disputa que irá ocorrer em 2016

O Secretário-Geral do Partido Socialista entre 1992 e 2002 era, até ao momento, apontado como o candidato mais forte e consensual na área do centro esquerda, vencendo inclusive os candidatos de direita em alguns estudos de opinião. Nos últimos meses circulava já o rumor de que António Guterres não pretendia ser candidato, porém, essa decisão nunca foi comunicada publicamente até agora.

A recusa de António Guterres em corporizar uma candidatura à Presidência da República, apoiada pelo Partido Socialista, reforça seriamente o cenário deste partido apoiar a candidatura do ex reitor da Universidade de Lisboa, António Sampaio da Nóvoa, que apesar de ter para já, apoios importantes de figuras do Partido e da direção, não reúne o mesmo consenso que António Guterres.

A Agência das Nações Unidas para os refugiados, com sede em Genebra, foi fundada em 1950 com o objetivo de proteger e apoiar os refugiados, emprega cerca de 9000 pessoas espalhadas por 123 países e tem a seu cuidado mais de 11 milhões de pessoas.

Publicidade

António Guterres dirige este organismo desde Junho de 2005, substituindo no cargo o ex-primeiro-ministro holandês Rudd Lubbers.