O ministro da Defesa Nacional, Aguiar Branco, reconhece que cometeu um "lapsos linguae" quando afirmou, ontem, que o economista José da Silva Lopes teve a felicidade de partilhar a sua morte com o cineasta Manoel de Oliveira. Numa mensagem escrita na manhã desta sexta-feira, 2 de Abril, na sua página no Facebook, o ministro afirma que "a linguagem traiu o pensamento" ao pretender honrar, render homenagem e distinguir dois grandes portugueses a quem Portugal "muito deve e que faleceram no mesmo dia".

"É óbvio que a expressão é infeliz e vai ao arrepio do resto das minhas declarações", escreveu Aguiar Branco lamentando aqueles que se aproveitam destas situações para as "ampliar e disseminar, atribuindo-lhes um sentido perverso".

As declarações do ministro da Defesa Nacional foram proferidas ontem à noite no momento em que saía do velório do cineasta Manoel de Oliveira e quando foi confrontado pelos jornalistas com a morte do antigo ministro das Finanças e governador do Banco de Portugal, José da Silva Lopes.

Na ocasião, Aguiar Branco enalteceu o perfil daquele economista, considerando que se trata de um português que também prestou serviços relevantes de uma forma "muito transparente e frontal", com a qual sempre defendeu as suas posições.

Publicidade
Publicidade

"Nesse aspecto, nessa coincidência, teve a felicidade de ser no mesmo momento em que outro português também nos deixa", disse, acrescentando que "nessa dimensão é uma felicidade poder sê-lo e partilhar com o mestre Manoel de Oliveira".

Declarações que foram, de imediato, alvo de críticas por parte de várias pessoas, tendo-se tornado virais nas redes sociais. Na maioria a criticarem a falta de sensatez por parte de Aguiar Branco.

Reconhecendo ter cometido o lapso de linguagem, o ministro da Defesa reafirma que Manoel de Oliveira e Silva Lopes, ambos falecidos no mesmo dia, foram dois portugueses de eleição, que teve a honra de conhecer e cuja memória "devemos preservar e que constituem um exemplo, para todas as gerações na forma como dignificaram sempre o nome de Portugal".

Publicidade