O antigo reitor da Universidade de Lisboa deverá ser o nome apoiado pelo PS para concorrer às presidenciais de 2016. A candidatura à Presidência da República deve acontecer nos próximos 15 dias, revela o jornal Expresso na sua edição online. A decisão já foi apoiada por Mário Soares, o primeiro a assumir publicamente o seu apoio a Sampaio da Nóvoa. Em declarações ao semanário Expresso, o histórico socialista admitiu que "gostaria que fosse candidato [Sampaio da Nóvoa] e, naturalmente, que o apoio. É um bom candidato".

Recorde-se que o Partido Socialista tem tido alguma dificuldade em encontrar um nome para as #Eleições presidenciais do próximo ano.

Publicidade
Publicidade

Inicialmente, António Guterres e António Vitorino eram as duas primeiras opções do PS. No entanto, os dois acabaram por recuar. Para Paula Costa Simões, editora política da TVI, trata-se de uma "solução de recurso", sendo que que "jamais avançaria se não contasse com o apoio do PS".

O nome de Sampaio da Nóvoa gerou algumas reticências na principal força da oposição, uma vez que se trata de um candidato muito à esquerda e pouco conhecido dos eleitores portugueses. No entanto, a falta de alternativas parece ter levado o PS a aprovar o nome de Sampaio da Nóvoa. O apoio de Mário Soares não está isolado. Segundo declarações de uma fonte da equipa do antigo reitor à TSF, existem "outras personalidades de diversas áreas políticas e sociais" que apoiam a candidatura.

Relativamente ao candidato do PSD para a corrida a Belém, Rui Rio, Marcelo Rebelo de Sousa e Pedro Santana Lopes são os nomes mais falados.

Publicidade

O professor Universitário e comentador da TVI, Marcelo Rebelo de Sousa, deverá decidir se vai candidatar-se a Presidente da República em Outubro deste ano. Para o ex-líder do PSD, "O próximo PR vai ser chamado a ter um desempenho mais interventivo do que aconteceu no passado recente", disse Marcelo Rebelo de Sousa, à agência Lusa.

Já o ex-autarca do Porto, Rui Rio, deverá tomar a decisão, segundo o Diário de Notícias, entre Maio e Julho. O silêncio tem marcado a postura de Rui Rio relativamente a uma eventual candidatura a Belém.