A Revolução de 28 de Maio de 1926, que à posteriori ficou também conhecida como Revolução Nacional, foi um golpe militar de cariz nacionalista e antiparlamentar. Esta Revolução ditou o fim da Primeira República, que ao longo dos dezasseis anos que durou foi pautada por uma forte instabilidade política, com o país a viver sempre num caos permanente.

Para que se tenha uma noção, existiram oito presidentes da República e trinta e nove governos ao longo desses dezasseis anos. Com lutas entre o #Governo e a Igreja Católica, assim como divergências entre os próprios republicanos, maçons e carbonários. Os atentados bombistas foram uma constante, manifestações e convulsões dos trabalhadores, influenciados por anarco-sindicalistas, frequentemente resultando em confrontos e violência

Isto não era só o quotidiano do operariado, também entre as próprias forças militares a escalada de violência parecia imparável.

Publicidade
Publicidade

Uma Primeira República repleta de crimes públicos e políticos, acima de tudo. Surgiu assim, nesta conjuntura, a Revolução, iniciada em Braga, comandada pelo General Gomes da Costa, e que rapidamente se estendeu a cidades como Porto, Lisboa, Évora, Coimbra e Santarém.

O triunfo seria consumado a 6 de Junho de 1926, num desfile com toda a pompa e circunstância, onde o General Gomes da Costa seguia à frente de treze mil homens, num desfile que foi freneticamente aclamado pelo povo. Após a Constituição de 1933, nasceu o conceito de Estado Novo, esse Regime que durou, como todos sabemos, até ao dia 25 de Abril de 1974. Ao longo dos anos que se seguiram a estes acontecimentos, tentaram, em vão, várias organizações políticas recuperar ou tomar o poder, mas não conseguiram parar o mais longo regime autoritário da Europa Ocidental do Séc.

Publicidade

XX.

Nos tempos que correm todos nós conhecemos, de uma forma geral, a Revolução de 25 de Abril de 1974, mas muito poucos, sobretudo os jovens, conhecem os contornos da Revolução do 28 de Maio de 1926. Muita gente acredita que este facto não é inocente e que o desconhecimento é premeditadamente alimentado, servindo os interesses do actual Regime ou, para ser mais preciso, da Terceira República Portuguesa. #História