A Ponte 25 de Abril esteve encerrada ao trânsito em plena hora de ponta. Cerca das 19h00 desta segunda-feira, 4 de Maio, um objecto suspeito levou ao encerramento da infra-estrutura. De acordo com o Diário de Notícias, o saco que originou a ameaça de bomba seria um embrulho de roupa. Estava localizado junto de um dos pilares da ponte.

A denúncia partiu de um condutor que terá visto alguém a largar o objecto, e as autoridades optaram por encerrar a ponte, adoptando as medidas necessárias de segurança. Interveio o Centro de Inactivação de Explosivos e Segurança em Subsolo, foi fechada a circulação rodoviária e ferroviária.

Publicidade
Publicidade

Só depois do objecto acabar de ser analisado, por volta das 21h00, é que as autoridades confirmaram que não havia qualquer perigo, autorizando a reabertura da "25 de Abril".

Situação causou transtorno

O encerramento de uma das principais vias de saída de Lisboa em plena hora de ponta causou, naturalmente, muito transtorno. Durante as duas horas de circulação fechada, os acessos à Ponte 25 de Abril também estiveram totalmente condicionados e, sem comboio, o único transporte alternativo era obarco. Muitas pessoas terão optado por essa solução. Simultaneamente, a circulação rodoviária na zona do Cais do Sodré revelou-se completamente caótica

A #Polícia de Segurança Pública (PSP) tem agora em curso uma investigação para apurar responsabilidades, e o indivíduo que deu o alarme poderá ser penalizado devido a todo o alarmismo e situação que provocou por um falso alarme de bomba.

Publicidade

Primeiro encerramento desde há 15 anos

A Ponte 25 de Abril foi hoje encerrada ao trânsito pela terceira vez na história. Há 15 anos, foi encerrada por duas vezes, devido ao mesmo motivo de hoje - falsas ameaças de bomba. Em 2000, houve duas situações. A primeira no mês de Maio, tendo a PSP encerrado a ligação ferroviária entre as 05h30 e as 06h30 por suspeitas de bomba na linha de comboio. Cerca de dois meses mais tarde, em Julho, o fecho do trânsito foi mais tarde (23h00 até às 03h00), no seguimento de telefonemas anónimos a relatarem que alguém deixara explosivos nos pilares da ponte. Hoje, foi um saco de roupa. Na altura, o gabinete da Administração Interna classificou-a como "brincadeira de mau gosto".