Nos últimos dias foi anunciada a suposta libertação de José Sócrates com pulseira electrónica. O engenheiro recusou sair do Estabelecimento Prisional de Évora com o dispositivo, pelo que continua preso até 9 de setembro, a data em que a medida de coação será reavaliada. José Sócrates foi detido em novembro do ano passado no aeroporto da Portela quando regressava de Paris, no âmbito da "Operação Marquês" e encontra-se desde então em prisão preventiva. Contudo, esta recusa vai trazer prejuízo aos bolsos do Estado.

O facto de José Sócrates permanecer preso implica mais custos aos Estado Português. Segundo o Diário de Notícias, se o ex-Primeiro-Ministro tivesse aceitado a medida de coação que foi proposta inicialmente pelo Ministério Público, a sua detenção custaria ao Estado apenas 1520 euros mas, com esta recusa, o Estado gastará o triplo.

Os custos de um arguido com obrigatoriedade de permanência na sua residência com a pulseira electrónica são de 16 euros ao dia, enquanto que se estiver preso preventivamente ou a cumprir pena já custa 48 euros diários. Fazendo as contas até ao dia da próxima reavaliação da medida de coação, o Estado vai gastar cerca de 4500 euros só com o recluso 44, ao invés dos 1520 euros se este tivesse aceitado a pulseira electrónica.

Se o Ministério Público e o juiz de instrução criminal Carlos Alexandre tivessem optado pela vigilância constante, de 24 sob 24 horas, por um agente da PSP, o valor das despesas seria mais avultado. Dependendo dos ordenados dos agentes escolhidos para o efeito, o custo seria à volta de 204 a 306 euros por dia, o que daria um total de 18 a 28 mil euros pelos mais 90 dias que José Sócrates permanecerá preso. O valor é exorbitante, visto que têm que existir agentes em permanente vigilância com turnos de seis horas cada.

José Sócrates está indiciado por vários crimes: fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção passiva para acto ilícito. O engenheiro é o único que se matem preso preventivamente neste processo, visto que o empresário Carlos Santos Silva saiu no final do mês passado com pulseira electrónica, encontrando-se em prisão domiciliária. #Justiça