Apesar do silêncio que Rui Rio mantém sobre se irá avançar, ou não, para a corrida presidencial, começam a surgir fortes pressões para que apresente, o quanto antes, a sua candidatura ao Palácio de Belém. Esta terça-feira, Francisco Pinto Balsemão, militante número um do PSD, desafiou Rui Rio para o cargo de Presidente da República, sublinhando que "de todas as candidaturas anunciadas, semi-anunciadas, verdadeiras, hipotéticas, até agora conhecidas, a eventual candidatura de Rui Rio à Presidência da República é a que mais confiança e entusiasmo e confiança" lhe inspira.

Perante um auditório repleto de personalidades, na sede da Ordem dos Técnicos Oficiais de Contas, em Lisboa, para a apresentação do livro "Rui Rio: Raí zes de Aço", da autoria do psiquiatra Carlos Mota Cardoso, entre os muitos elogios que Francisco Pinto Balsemão teceu, fez ainda questão de declarar publicamente que vê em Rio o homem capaz de "liderar a Chefia do Estado".

Publicidade
Publicidade

"Por todas as razões de cidadania, de carreira, de provas dadas nas mais diversas circunstâncias, Rio tem o perfil adequado para exercer a chefia do Estado, liderando a concretização do acordo de regime ou de governação nacional pelo qual ele, eu e muitos outros há tanto tempo nos batemos", afirmou.

Porém, Balsemão foi muito claro ao alertar que "os prazos se vão encurtando", devendo Rui Rio avançar o quanto antes, porque "o cavalo do poder raramente passa mais de uma vez à porta de quem o pode montar", pelo que, no seu entender, é esta a hora. A preocupação já várias vezes expressa por Rio de que haja "um acordo de governação nacional de médio e longo prazo, em nome do interesse nacional", é partilhada por Balsemão, o qual acrescenta que tal acordo deverá englobar tanto "áreas essenciais como a educação, a segurança social, o quadro orçamental, a justiça", como ainda "a área mais essencial de todas: a reforma do sistema político sem a qual nada será possível".

Não obstante Rui Rio ainda não ter declarado que é candidato, já pode contar com o apoio inequívoco deste fundador do PSD, que considera mesmo que Rui Rio é o herdeiro de Francisco Sá Carneiro, capaz de cumprir o desejo de "construir não uma simples democracia formal, burguesa, mas sim uma autêntica democracia". #Eleições #Eleições Presidenciais