Pedro Passos Coelho prometeu e cumpriu, mas o resultado não foi o desejado para dezenas de lesados do BES presentes em Arcos de Valdevez. Numa reunião que durou cerca de 30 minutos, o primeiro-ministro revelou aos presentes o mesmo que já havia dito anteriormente: o problema da falência do BES não é assunto do #Governo. Apesar da muita expectativa inicial, os lesados revelaram estar desiludidos com o discurso de Passos Coelho, que se desmarcou ao máximo das "suas responsabilidades". Tristeza e choro foram as imagens captadas pelas televisões nacionais depois da aguardada reunião.

Rui Alves, porta-voz dos lesados do BES, era um dos mais desiludidos do grupo, confessando que este é o dia mais triste da sua vida.

Publicidade
Publicidade

"Vim de Angola à espera de que o nosso primeiro-ministro pudesse resolver esta situação de vez, tinha mesmo muitas expectativas. Ele foi muito simpático, mas o que disse foi uma autêntica desilusão para todos nós, que não temos dinheiro nenhum e vivemos um momento muito difícil nas nossas vidas", revelou Rui Alves às câmaras do canal da SIC Notícias, visivelmente emocionado com toda esta situação.

De facto, na pequena reunião que Pedro Passos Coelho teve com estas dezenas de manifestantes, o primeiro-ministro limitou-se a dizer que este assunto era para ser tratado e resolvido com a CMVM e o Banco de Portugal, sendo que o actual governo não tem qualquer tipo de poder de decisão perante os problemas que a falência total do banco BES provocou a milhares de portugueses.

A saída de Passos Coelho, apesar de uma enorme segurança policial, foi tranquila, tendo como pano de fundo uma enorme desilusão e tristeza, que culminaram nalgumas cenas de choro.

Publicidade

O desespero de alguns dos lesados presentes em Arcos de Valdevez é notório e uma das suas últimas esperanças. Este encontro frente-a-frente com o primeiro-ministro foi um total fracasso para as suas pretensões. Alguma vez os milhares de lesados do BES vão conseguir recuperar parte do seu dinheiro? Ao contrário do que estes previam e desejavam, o governo não tem qualquer tipo de influência nessas decisões. #Bancos