O ex-primeiro-ministro regressou na sexta-feira, 4 de setembro, a sua casa, mas sem pulseira eletrónica. José Sócrates estava detido desde o dia 21 de Novembro de 2014. Sócrates deixou a prisão passavam alguns minutos das 19.30h dentro de um veículo policial. De acordo com o jornal "Expresso", esta mudança foi encarada pelo ex-primeiro-ministro com muita surpresa.  A Procuradoria-Geral da República já emitiu um comunicado a explicar o motivo da libertação de #José Sócrates. Neste comunicado pode ler-se que a medida de coação sofreu uma alteração devido a estarem mais reforçados os indícios e assim o perigo de perturbação ser menor. 

Segundo o jornal "Expresso", desde o início do processo já foram ouvidas 10 pessoas e feitas mais de 30 diligências de buscas.

Publicidade
Publicidade

O ex-primeiro-ministro não vai ter de usar pulseira eletrónica, até porque, segundo o jornal "Expresso",  era algo que ele não queria, por uma questão de honra.  A medida de coação proíbe que Sócrates tenha algum tipo de contacto com os outros arguidos envolvidos neste processo. 

A casa onde José Sócrates irá permanecer, que se situa na rua Alameda D. Afonso Henriques, está avaliada em 800 mil euros e é da sua ex-mulher, Sofia Costa Pinto Fava. 

Na cadeia há nove meses

O ex-Primeiro ministro foi detido a 21 de Novembro de 2014 no Aeroporto de Lisboa. Desde aí nunca mais regressou a sua casa. Foi alvo de uma medida de coação que o deixou em prisão preventiva no estabelecimento prisional de Évora. Sócrates está acusado de três crimes, sendo eles fraude fiscal qualificada, branqueamento de capitais e corrupção passiva para ato ilícito.

Publicidade

Atualmente, era o único arguido deste processo que estava em prisão preventiva. Carlos Santos Silva foi detido a 20 de Novembro de 2014, mas apenas permaneceu em prisão preventiva até dia 26 de Maio de 2015, sendo que desde aí está em prisão domiciliária. Joaquim Barroca Rodrigues foi detido a 22 de Abril de 2015, mas apenas passou alguns dias em prisão preventiva. Atualmente, está em prisão domiciliária. Gonçalo Ferreira (advogado), foi detido a 20 de Novembro de 2014, mas atualmente está em liberdade, tal como João Perna, o ex-motorista de Sócrates. 

Paulo Ladanda Castro e a mulher de Carlos Santos Silva também estão em liberdade, sendo que o administrador da farmacêutica Octapharma está sujeito a termo de identidade e residência.  #Justiça