A coligação Portugal à Frente vai receber 5,62 milhões euros por ano na sequência da vitória alcançada nas #Eleições #Legislativas realizadas no domingo, 4 de Outubro, segundo dados revelados pelo diário Público. O PS, segunda força política, ficou muito perto de alcançar 5 milhões de euros, pois tem direito a 4,942 milhões de euros por ano, enquanto o Bloco de Esquerda e CDU, terceiro e quarto partidos com mais eleitores, apresentaram um resultado mais modesto. Apesar disso, garantem, respectivamente,1,56 milhões e 1,26 milhões de euros por ano. Por outro lado, o PAN, que pela primeira vez elegeu um deputado, irá receber 212 mil euros anualmente.

Publicidade
Publicidade

António Marinho e Pinto e Garcia Pereira não conseguiram ser eleitos como deputados, mas não saem destas eleições de "mãos a abanar", uma vez que têm direito a mais de 170 mil euros, dado que ultrapassaram os 50 mil votos.

Estas verbas ainda não finais, porque faltam definir os resultados que cada força política conseguiu fora do país. A Coligação Portugal à Frente garantiu 38.55 por centos dos votos, o que lhe permitiu eleger 104 deputados, enquanto o PS, com 32,38 por cento dos eleitores, vai ser representado por 85 deputados. Seguem-se Bloco de Esquerda (10, 22% e 19 deputados), CDU (8,27 % e 17 deputados) e PAN (1.39 % e1 deputado).

PaF lidera custos

A Coligação Portugal à Frente liderou também nos gastos realizados na campanha eleitoral, caso se tenha confirmado o orçamento apresentado no site da Entidade das Contas e Financiamentos Políticos.

Publicidade

PSD e CDS terão utilizado 2,8 milhões de euros, além dos valores que cada um destes partidos definiu individualmente nas regiões autónomas: 185 mil e 75 mil euros para laranjas e democratas cristãos, respectivamente. 

CDU gasta 1,5 milhões 

Neste âmbito, a CDU surge na terceira posição com, ao que tudo indica, 1,5 milhões de euros disponíveis, mais do dobro do que o valor disponibilizado pelo Bloco de Esquerda. 598 mil euros terá sido a verba utilizada pelo partido de Catarina Martins. Mais modestos foram os orçamentos de PDR (207 mil euros), PCTP/MRPP (85 mil euros) e PAN (30 mil euros).