Os partidos de Passos Coelho e #Paulo Portas vão apresentar na próxima quinta-feira (dia 3 de dezembro) uma moção de rejeição conjunta do programa do #Governo de António Costa. Segundo o Notícias ao Minuto, a decisão foi confirmada por uma fonte oficial do PSD. Durante esta manhã, #Pedro Passos Coelho reuniu-se com os vice-presidentes do Partido Social Democrata, com o líder parlamentar e com o secretário-geral numa reunião da Comissão Permanente.

Os partidos da direita consideram que o novo Governo é “ilegítimo” por os partidos que o compõem terem ficado atrás da coligação PàF e devido à forma como derrubaram o executivo de Pedro Passos Coelho.

Publicidade
Publicidade

Além disso, acreditam que o futuro programa não será credível e que será perigoso para todos os portugueses.

De acordo com o Expresso, Paulo Portas concorda com esta estratégia de moção de rejeição. O líder do CDS não quer permitir que António Costa acuse a direita de “consciência e estabilidade” do projeto, caso não o reprovasse formalmente.

No entanto há quem não defenda esta decisão, achando que uma moção de rejeição apresentada pelo PSD e CDS será reprovada pelo PS, BE, PCP e Verdes, reforçando a ideia de que existe uma esquerda unida.

O novo Governo foi indigitado na passada terça-feira (24) pelo Presidente da República e tomou posse dois dias depois (26). O Governo de António Costa é suportado por três acordos distintos entre os socialistas e os partidos de esquerda (BE, PCP, PEV) que garante a maioria no parlamento com 122 deputados num total de 230. Estes entendimentos, que têm como título "Posição conjunta do PS com PCP, ou BE, ou PEV sobre solução política", foram assinados durante o anterior Executivo de Passos Coelho, no dia em que foi aprovada a moção de rejeição apresentada pelo Partido Socialista e pelos restantes partidos à esquerda.

Publicidade

Segundo o artigo 195.º da Constituição, isto implica a demissão do executivo, que se manteve em gestão até à posse do novo Governo chefiado por António Costa. O XX Governo Constitucional foi o mais curto da história da democracia, durando apenas 27 dias e algumas horas - de 30 de Outubro a 26 de Novembro.