Assunção Cristas, 41 anos, foi eleita neste domingo, 13 de Março, a sétima líder do CDS-PP, e a primeira mulher a chegar ao cargo. A ex-ministra da Agricultura obteve 95,59 por cento dos votos no 26º Congresso do partido, uma vitória superior à que o seu antecessor obteve no último congresso. Paulo Portas deixa assim um ciclo de 16 anos de liderança do CDS-PP, a mais longa de sempre na história do partido.

Se no primeiro dia do congresso Assunção Cristas marcou as suas intervenções com discursos intimistas, já no encerramento dos trabalhos, depois de eleita, a nova líder do CDS-PP deixou um conjunto de propostas para o futuro do país. Desafiou o Partido Socialista para rever a forma como é designado o Governador do Banco de Portugal, entidade supervisora do sistema financeiro. A líder centrista disse acreditar numa regulação “eficaz, ágil, capaz, prudente e que garanta uma economia social de mercado a funcionar bem”. Outro dos desafios lançados ao partido que agora governa o país prende-se com a reforma do sistema de pensões, bem como aproximar os regimes laborais do sector público e privado, nomeadamente no que se refere a horários e remunerações.

Quanto às próximas eleições Autárquicas, a realizar em 2017, Assunção Cristas anunciou que irá propor a manutenção do apoio a Rui Moreira para a Câmara Municipal do Porto, enquanto para a principal autarquia do país (Lisboa), o partido deverá apresentar uma candidatura “forte, ambiciosa e mobilizadora”. Uma Câmara Municipal que já foi presidida pelo CDS-PP, com Nuno Krus Abecassis. Por outro lado, defendeu a continuidade das coligações com o PSD nos municípios onde estejam a funcionar bem, como é o caso de Aveiro e Cascais.

Entretanto, esta segunda-feira, 14 de Março, a nova líder nacional do CDS-PP será recebida, em audiência, pelo Presidente da República. Marcelo Rebelo de Sousa receberá a nova direcção do CDS-PP, presidida por Assunção Cristas, ao final do dia. O elenco directivo conta com os vice-presidentes Nuno Melo, Adolfo Mesquita Nunes, Cecília Meireles e Nuno Magalhães. Por sua vez, Pedro Morais Soares é o novo secretário-geral, enquanto João Almeida e Domingos Deutel são o porta-voz e o coordenador autárquico, respectivamente. Como vogais surgem os nomes de Pedro Mota Soares, João Rebelo, Ana Rita Bessa, Álvaro Castello-Branco, Teresa Anjinho, Manuel Isaac, Filipe Anacoreta Correia, Miguel Morais Leitão, Miguel Moreira da Silva, Artur Lima e António Lopes da Fonseca. #Governo #Paulo Portas