A decisão foi tomada em reunião da Comissão Executiva do Eixo Atlântico do Noroeste Peninsular, que aconteceu na Galiza, e foi divulgada pela autarquia: em 2016, Matosinhos será a Capital da Cultura do Eixo Atlântico, sucedendo, deste modo, à cidade de Ourense, em Espanha, que organizou o evento em 2014 e foi a primeira cidade galega a ser designada. Estar à frente deste programa é um dos objectivos do mandato de Guilherme Pinto, actual Presidente da Câmara Municipal de Matosinhos. Para responder à exigência desta responsabilidade, está já a ser organizado um programa ousado que irá ser desenvolvido ao longo de todo o ano, com especial destaque entre os meses de Maio e Setembro. Ao longo deste período, a vocação cultural do concelho será realçada e será dado um novo impulso à criatividade como elemento diferenciador e responsável por uma maior coesão social. A par disso, serão ainda reforçados os laços com os outros municípios do Eixo Atlântico.

Para promover o evento, atrair um número satisfatório de turistas e estimular a economia, a autarquia irá ainda desenvolver um plano de requalificação urbana. Deste modo, para 2016, espera-se que a Broadway da quadra marítima seja inaugurada, prevendo-se, igualmente, a concepção de variadas praças e a iluminação dos edifícios considerados mais simbólicos para a região. Paralelamente, serão iniciadas obras de remodelação das ruas de Alfredo da Cunha e França Júnior, além de todos os passeios do concelho de Matosinhos.

A nível cultural, este ano será ainda marcado pela inauguração da Casa da Arquitectura, da Casa da Memória de Matosinhos e do Quadro-Galeria de Design, pelo lançamento de livros e pela organização de conferências que darão o enfoque no papel e na importância dos Caminhos de Santiago no reforço da identidade luso-galaica e europeia.

Durante o ano de 2016, Matosinhos receberá vários espectáculos teatrais protagonizados por companhias itinerantes galegas e serão também inauguradas quinze exposições de artes plásticas, design e fotografia. Serão ainda realizados o Fazer a Festa e o FITEI (Festival Internacional de Teatro de Expressão Ibérica).

Sendo o epicentro da valorização da cultura das regiões da Galiza e do Norte de Portugal, a Capital da Cultura do Eixo Atlântico une o tradicional e o conservador ao inovador e vanguardista. Com uma clara aposta nas novas tecnologias e no que de melhor se faz a nível cultural, este certame pretende proclamar um património cultural passado, presente e futuro de uma região, sendo uma exemplar forma de divulgar novas artistas e talentos escondidos nesta Euro Região. #Turismo