Num mercado que começa a agitar o país, fomos saber de que forma as cervejas artesanais estão a borbulhar no Porto. A Sovina já existe desde 2011, a Burguesa nasceu há pouco mais de um ano. A produção de cerveja artesanal está a captar a atenção dos mais curiosos. Normalmente começa numa produção caseira e cresce para algo mais corpóreo. A Invicta não ficou indiferente a este fenómeno da moda e já são várias as pessoas que apostam na produção de cerveja artesanal.

A Sovina

A Sovina nasceu em 2011 e só tem crescido desde aí. Foi a primeira cerveja artesanal a instalar-se no porto e a primeira cerveja artesanal engarrafada do país. A gerente Paula Abreu considera que a Sovina "marca a diferença" e tem "uma qualidade superior". Querem "apostar no comércio tradicional" já que "dificilmente encontramos produtos de qualidade na grande distribuição". Começaram com as cervejas Amber e Helles e gradualmente foram aumentando as variedades (acrescentando a IPA, Stout, Trigo e ainda cervejas sazonais como a Bock e a de Natal). Este ano mudaram as instalações para Ramalde, e "finalmente" conseguiram "duplicar a produção". Até já produzem sabonetes de cerveja!

A Sovina criou um projeto pioneiro no país. A loja online Cerveja Artesanal que vende kits de produção de cerveja. Existem "três maneiras de fazer cerveja em casa, cada uma com grau de dificuldade diferente". Mas o objetivo da Sovina é também criar uma cultura de cerveja artesanal, desenvolvendo "workshops, venda de livros e eventos de prova". Para além disso, desenvolvem parcerias com escolas, a quem oferecem estágios. Desde o ensino secundário (Escola Profissional do Comércio Externo e Escola Agrícola de Santo Tirso) ao ensino superior (Belas Artes e Nutrição da UP e Microbiologia no Minho).

A Sovina criou também eventos inovadores como o Sovina Oktoberfest onde abrem as suas portas "para fazer uma festa", "queremos mostrar ao mundo como é que se produz a nossa cerveja e dar a conhecer a nossa empresa familiar".

A Burguesa Cerveja Artesanal

A Burguesa é um projeto que nasceu há pouco mais de um ano e é ainda uma produção caseira que está no processo de aumentar a produção, com vista a uma mini indústria. Hugo Rocha é engenheiro civil e apostou neste mercado "pelo gosto pela cerveja e pela sua produção". Este gosto, aliado à crise, proporcionou "maior facilidade no tempo a investir neste projeto".

O nome Burguesa não foi a escolha inicial. Mas como queriam um nome relacionado com a cidade do Porto - onde surgiu a cerveja (na Rua das Flores) - o nome "Burguesa apareceu facilmente, tendo em conta que a Burguesia foi uma classe de enorme importância para a cidade do Porto, nos séculos XIX e XX". Este projeto surgiu em 2013 e como havia "alguma curiosidade sobre a cerveja" Hugo Rocha decidiu avançar.

"O produto e o feedback foi tão positivo que a produção foi aumentando aos poucos, a nível caseiro, para amigos e conhecidos". Foi já em 2014 que começaram a vender em espaços públicos. A Burguesa está agora a crescer a olhos vistos: "existe já um espaço que se encontra em fase de obras que será a nova casa da Burguesa". E trazem novos estilos para as micro cervejarias portuguesas: "temos uma English Strong Bitter e uma Belgian Dubbel" e em fase de amadurecimento querem criar "versões da escocesa Scotch Ale, Imperial India Pale Ale e Belgian Tripel".