Segundo o Instituto Nacional de Investigação Agrária e Veterinária (INIAV), os citrinos da zona do Porto estão a ser afectados por uma praga. O insecto denominado por psila africana está a provocar sérios danos nestes frutos, nomeadamente uma doença grave com o nome de "Citrius greening". Entre as consequências sobressai o facto de o fruto crescer pouco e se apresentar descolorido e deformado. A Direcção Regional de Agricultura e Pescas do Norte garante que o consumo de citrinos de árvores afectadas não acarreta riscos para a saúde do Homem.

O primeiro alerta foi dado por Espanha, no fim do ano passado, depois de ter sido detectada a praga na Galiza. Em Janeiro acabaria por ser identificada no Porto, em terrenos de particulares. Sabe-se que também existem registos da doença em Gondomar, Maia, Matosinhos e Gaia.

Como forma de combater a praga, é proibida a entrada em Portugal de material susceptível de agravar o problema, sendo recomendável cortar e queimar os ramos doentes assim que identificados , bem como a iniciação do tratamento à base de óleo de verão. Todas as árvores doentes serão acompanhadas durante o período de um ano, para que seja confirmada a sua eliminação. A praga tem sido encontrada maioritariamente em limoeiros. Se encontrar alguns dos sintomas nas suas árvores de fruto, não hesite em contactar a Direcção Regional de Agricultura e Pescas.

Citrius greening consiste numa doença que afecta os citrinos, ou seja, laranjas, tangerinas e limões, deixando as suas folhas amareladas e mosqueadas, sendo possível observar manchas irregulares. Em muitos casos acontece também os frutos apresentarem deformações. Com o avançar da doença, é necessário arrancar a árvore, de modo a não infectar outras.

A praga foi descoberta no Brasil, mais concretamente em Araraquara, estado de São Paulo, no ano de 2004. Mais tarde acabaria por ser detectada no Paraná, e em inícios de 2011 na Bahia. Presume-se que em pouco tempo todo o território brasileiro esteja infectado, e que poderá alastrar a outras zonas do continente americano. #Ambiente