Vila do Conde e Póvoa de Varzim estão em choque com a morte de Ana Luísa, promissora atleta de voleibol da associação desportiva Ginásio Clube Vilacondense, que sofreu uma paragem cardio-respiratória. Os responsáveis do clube já vieram a público confirmar a morte da atleta e negar - depois de a notícia ter sido divulgada - que o caso se tenha dado em treino ou durante competição.

Ao que tudo indica, a jovem de 17 anos, que estudava no Colégio Amorim, instituição de ensino do concelho da Póvoa de Varzim, estava em casa quando a tragédia aconteceu. A residir na freguesia da Touginha, no concelho de Vila do Conde, Ana Luísa caiu repentinamente no chão e entrou em paragem cardio-respiratória.

Segundo fonte das autoridades, de imediato foram chamados vários meios de socorro ao local. O comandante da corporação dos Bombeiros Voluntários de Vila do Conde, Joaquim Moreira, confirmou aos órgãos de comunicação social que o alerta foi dado pouco depois das quatro da tarde deste sábado, dia 23. O teatro de operações foi reforçado ainda com a presença da Viatura Médica de Emergência e Reanimação (VMER) sediada no Hospital de Matosinhos.

"Também uma ambulância de Suporte Imediato de Vida do Centro Hospitalar de Vila do Conde/ Póvoa de Varzim foi acionada para o local", confirma fonte do Centro Distrital de Operações de Socorro do Distrito do Porto, acrescentando que a situação foi aberta como "uma morte súbita".

No entanto, e apesar do pronto-socorro e das várias tentativas de reverter a situação, a jovem foi declarada morta no local. O caso está a chocar a comunidade local e o clube vilacondense onde a atleta praticava voleibol. Eduardo Pinto, presidente do Ginásio Clube Vilacondense, indicou que "a jovem praticava desporto há muitos anos" e que "nada fazia prever uma situação deste género".

A autópsia vai revelar o que poderá ter acontecido para originar o fulminante ataque. Segundo foi possível apurar, o funeral ainda não tem data marcada, mas já este domingo foi decretado pela Federação Portuguesa de Voleibol um minuto de silêncio em todos os jogos em memória da atleta, considerada "uma empenhada desportista". #Casos Médicos