Os jardins da Avenida Júlio Graça em Vila do Conde recebem, de 25 de julho a 09 de agosto, a 38.ª edição da Feira Nacional de Artesanato, que este ano reúne, de entre os mais de 200 #Artesãos, o artesanato nacional já com Certificado de Origem. Entre eles, as anfitriãs Rendas de Bilros, o artesanato dos Açores, os Bordados de Guimarães, da Madeira, de Viana do Castelo, a Olaria e Figurado de Barcelos, os Lenços dos Namorados e os Tapetes de Arraiolos. Este ano, o destaque da Feira será dado às tradicionais Rendas de Bilros produzidas em Vila do Conde, que se apresentam pela primeira vez com o Certificado de Origem. Durante o certame, mais precisamente no dia 02 de agosto, Dia da Rendilheira, será apresentada a maior peça em Renda de Bilros do mundo, que está a ser elaborada há vários meses, tem 52 metros quadrados, 8 quilos de linho e o trabalho de 240 rendilheiras, dos 3 aos 80 anos de idade.

O desafio da conceção da renda gigante foi lançado pela presidente da Câmara de Vila do Conde, Elisa Ferraz, na edição da Feira Nacional do Artesanato do ano passado, com o nome "Rendas de Bilros para o Mundo". Agora, a autarca revelou que o resultado final superou todas as expectativas que tinha, sublinhando que consiste numa renda diferente, com uma multiplicidade de cores, além do tradicional branco e bege. A peça vai ser apresentada no dia 02 de agosto, domingo, às 11h, na Nau Quinhentista ancorada no porto daquela cidade. A renda será içada na nau nesse dia e no local estará um júri oficial do Guinness Worl Records TM para avaliar a peça e decidir se entrará para o livro de recordes mundiais.

A organização da Feira Nacional de Artesanato (Associação para Defesa do Artesanato e Património e Câmara de Vila do Conde) dá este ano particular relevo ao Artesanato Nacional com Certificado de Origem e por isso convidou as 9 artes acima enunciadas a figurar no pavilhão central da feira.

As Rendas de Bilros estreiam-se assim no leque de artesanato certificado e será apresentada a marca, com logótipo e denominação, que vai identificar as rendas como produção artesanal tradicional certificada. Assim, estas peças passarão a ser reconhecidas pelo público pela sua qualidade e tradição.

Além de artesanato de todo o país, os visitantes vão poder usufruir de animação todos os dias com ranchos folclóricos e desfrutar dos sabores de todas as zonas do país com as jornadas gastronómicas. A feira estará aberta a partir de amanhã, com entrada livre, de segunda-feira a quinta-feira das 17h às 24h, sextas e sábados das 15h às 0h30 e aos domingos das 15h às 24h.