Os moradores da Rua de Serpa Pinto e arredores, na cidade do Porto, têm medo de sair à rua, por causa de 30 imigrantes de leste que vivem num T2. Segundo o “Jornal de Notícias”, muitas destas pessoas evitam ir à farmácia só para não terem que se cruzar com os seus indesejados vizinhos e até uma drogaria foi obrigada a fechar devido a isso mesmo. Outrora um local calmo, os imigrantes durante o dia dividem-se pela cidade do Porto para mendigar e à noite costumam estar à porta dos prédios a gritar e a discutir. O receio de represálias é tanto que nenhum dos moradores tem coragem de formalizar uma queixa à PSP.

Os habitantes da Rua de Serpa Pinto não sabem o que fazer. Ao “Jornal de Notícias” contam os pormenores de uma noite normal quando estes se juntam à noite à porta dos prédios. “Ouvessem grandes estouros, discussões e muita gritaria. Por vezes, até carros a chiar e a acelerar sem qualquer propósito”, contou um dos moradores da rua mais afectada por estes cerca de 30 imigrantes com origem nos países de Leste.

Segundo informou a PSP, e apesar de não existir nenhuma queixa formal, as autoridades têm conhecimento dos problemas que estes moradores estão a causar aos habitantes, principalmente à noite, consumindo muitas vezes bebidas alcoólicas na rua e fazendo as suas necessidades nos pavimentos. O receio e o medo dos moradores é tanto que estes preferem não sair de casa a terem que encarar os imigrantes que vivem completamente à margem da lei.

“Eles costumam sair muito cedo em carrinhas para ir mendigar o dia todo. Depois voltam à noite para discutirem, gritarem e criarem um clima de terror nas ruas. Uma drogaria teve de fechar e muitos vizinhos não vão à farmácia porque eles estão lá sentados mesmo em frente”, confessou outro vizinho ao “Jornal de Notícias”. As autoridades, tais como Segurança Social, Câmara do Porto e Autoridade de Saúde, já estão bem cientes do que se tem passado e a PSP promete reforçar o patrulhamento naquela determina zona, a fim de conseguir controlar a situação e a obrigar os imigrantes a respeitar as regras e a lei. #Crime