Tudo ganha um certo brilho quando o humor é utilizado de forma inteligente. É o que acontece em “Bácoro”. O espetáculo de teatro esteve em cena no #Teatro Nacional de São João, no Porto, de 29 de setembro a 16 de outubro. Resultou de uma coprodução entre o Teatro da Palmilha Dentada e a Casa das #Artes de Vila Nova de Famalicão, com argumento assinado por Ricardo Alves e Sandra Neves..

Publicidade

Publicidade

“Bácoro”, como o nome indica, tem como elemento central um leitão. A mensagem, porém, extrapola a questão suína da coisa: as agruras e as expectativas do ser humano, o quotidiano portuense, a coscuvilhice enquanto se seca a roupa, as patetices e as brincadeiras das crianças. Um espetáculo envolto em humor refinado, calculado e pensado. Com uma fronteira de respeito que propicia a gargalhada fácil. A gargalhada sem a preocupação de se poder estar a ofender enquanto se ri. Bom teatro.

Tudo começa com um saltimbanco que chega à aldeia na companhia de um porco amestrado. Todavia, o cenário rural rapidamente dá lugar ao citadino. Aí, ganham enfoque as marionetas, que dão vida às crianças. Os diálogos de Pedro e Alice levam ao riso fácil mas não brejeiro e estão validados por uma aura de autenticidade. Há vocabulário adequado, conversas que facilmente poderiam ser encontradas nas ruas Fernandes Tomás ou Mouzinho da Silveira..

Publicidade

Há, afinal, mais em comum entre o homem e o leitão do aquilo que se julga. Numa espécie de desafio, o espetáculo propõe a humanização do próprio leitão. Mergulhados na história, o espetador apercebe-se que já caiu na esparrela: o leitão é afinal um personagem como os demais. Uma pessoa com focinho a quem só falta estender a roupa ou brincar às escondidas.

Num espetáculo onde a harmonia dos cenários complementa todo o espetáculo – e fazer essa passagem entre meio rural e meio urbano nem sempre é fácil – a componente social também não foi esquecida. No passado dia 9 de outubro foi realizada uma sessão com tradução simultânea em linguagem gestual. E passamos a ver os leitões de outra maneira. Mesmo. Só lhes falta falar! #Entretenimento