Muitos já ouviram falar da anorexia e muito já se discutiu sobre esta perturbação alimentar, que afeta principalmente o sexo feminino. Enquanto a anorexia é um transtorno dismórfico corporal, a vigorexia é um transtorno dismórfico muscular, afetando principalmente os homens e o seu estilo de vida. A vigorexia, termo utilizado pela primeira vez em 1993 pelo psiquiatra americano Harrison G. Pope, da Universidade de Harvard, traduz-se num transtorno ou perturbação mental, que leva à prática excessiva de exercício físico, com o propósito do aumento da massa muscular. Quanto maiores os músculos, mais próximo o vigoréxico pensa estar dos ideais de #Beleza e de corpo perfeito.

Na sociedade moderna, a vigorexia atinge principalmente os homens entre os 18 e os 34 anos, que chegam a ingerir mais de 4.500 calorias diárias (o normal seria 2.500 calorias), incluindo perigosos complexos vitamínicos e suplementos alimentares ou, em alguns casos, esteroides ou anabolizantes, com o intuito de conseguir rápidos e "melhores resultados". A vigorexia acaba por assumir-se como uma das patologias mais recentes, potencializadas pela cultura moderna atual e pelos seus valores, um tanto ou quanto distorcidos. Esta necessidade exaustiva de ser belo encontra o seu nicho ideal na nossa sociedade consumista e capitalista, onde o culto da imagem e do corpo perfeito ultrapassa muito o limite do razoável.

Esta tendência é preocupante principalmente nos mais jovens, pois são mais vulneráveis e suscetíveis a serem influenciados pelas imagens, modelos e estereótipos criados e alimentados pelos meios de comunicação social. Basta pensarmos nos reality shows, onde está implícita a necessidade de ter um corpo perfeito, com os six pack definidos como requisito de aceitação e inclusão e entendido como autêntico "certificado" de estilo e personalidade.

Ironicamente, o que acaba por acontecer é que o feitiço acaba por se virar contra o feiticeiro, já que esta busca pela perfeição normalmente dá lugar a mais frustração e, paradoxalmente, a um afastamento social. O que supostamente deveria atrair passa a repelir, pois todo um comportamento obsessivo é gerado em torno da necessidade de querer alcançar a quimera do corpo ideal, levando a uma centralização do indivíduo, que acaba por se alhear do seu íntimo e, logo, dos outros.

Esta é uma matéria delicada, logo é importante discutir o tema, alertando para a força e necessidade do cultivo da individualidade de cada pessoa, verdadeira essência da beleza e autenticidade do indivíduo. É importante estar atento aos sinais, tais como as idas exageradas ao ginásio, o comportamento fanático, a frustração e as atitudes conflituosas destes indivíduos, que agem tal e qual como um adicto. Um vigoréxico enaltece os defeitos e parece estar disposto a qualquer sacrifício para se tornar um ícone de beleza e perfeição, ao mesmo tempo que "sobrevive" a cada dia em profundo sofrimento.

A consciencialização do problema e o acompanhamento adequado constituem o primeiro passo para sair deste labirinto sem fim. Lembre-se ainda que o excesso de exercício físico pode trazer malefícios, adoece o corpo e pode ser fruto de uma mente doente.