Num mundo cada vez menos humanizado e em que a solidão é a companheira diária de muitos, os #Animais de companhia parecem vir colmatar algumas das falhas que o próprio Homem criou. São hoje parte integrante das famílias e partilham connosco tempo e espaço. Valerá a pena, por isso, repensar o que entendemos por saúde animal e humana, como duas entidades separadas e intocáveis uma pela outra. Valerá a pena então colocar a questão: saúde humana e animal - uma só?

A realidade diz-nos que os dois conceitos se tocam, se interligam, se influenciam e, como tal, constituem por si só, uma entidade única. As zoonoses são doenças transmitidas pelos animais aos humanos e, neste âmbito, merecem atenção especial por parte daqueles que diariamente lidam com espécies diferentes da Humana. A correcta vacinação e desparasitação dos animais, bem como controlos regulares do seu estado de saúde tornam-se imperativos na protecção da saúde pública.

Os médicos-veterinários, bem como, todos os profissionais de saúde têm o dever de informar e alertar a população para eventuais riscos. Em termos epidemiológicos a representatividade das zoonoses é estranhamente pequena. Levanta-se a questão, serão doenças sub-diagnosticadas ou simplesmente subvalorizadas? Devemos ou não preocupar-nos com a existência de patologias que vivem lado a lado na nossa casa, junto às nossas crianças, idosos e imunodeprimidos?

Está nas mãos do ensino médico em Portugal mudar o pensamento de que a saúde animal não toca nunca a saúde humana. Tal é falacioso e induz a negligência inconsciente por parte de todos nós. Vale a pena repensar que no mundo onde vivemos nada é estanque e tudo se influencia mutuamente. Assim, definitivamente a saúde é e será sempre uma só e deve, portanto, ser abordada como tal. A responsabilidade de encararmos esta questão de forma global é um pouco de todos nós, mas passa essencialmente pela mudança de uma mentalidade que dá primazia às questões de saúde apenas ligada à espécie humana, incorrendo assim num erro básico e que a todos nós poderá prejudicar.