De acordo com um estudo britânico publicado na revista Lancet Psychiatry, os psicopatas podem não ser capazes de aprender com a punição devido à existência de algumas anormalidades em zonas-chave do cérebro. Ressonâncias magnéticas realizadas aos cérebros de criminosos violentos demonstraram que aqueles que têm tendências psicopatas reagem de forma diferente quando confrontados com um castigo ou com um reacção negativa face ao seu comportamento.

Os cientistas descobriram que os psicopatas têm níveis reduzidos de massa cinzenta e níveis anormais de massa branca em áreas do cérebro que estão envolvidas na aprendizagem de recompensas e punições. Nigel Blackwood, um dos autores do estudo e psicólogo na Kings College London, afirmou que os psicopatas são diferentes dos criminosos em muitas maneiras. De acordo com o especialista, os criminosos "são irascíveis e agressivos", enquanto os psicopatas "têm uma resposta muito baixa a ameaças, são frios e a sua agressividade é premeditada".

O estudo veio demonstrar que ambos os tipos de criminosos - psicopatas e não psicopatas - apresentam um desenvolvimento anormal do cérebro (embora seja distintivo). Os investigadores descobriram que os psicopatas, em comparação com os outros criminosos, exibem respostas anormais à punição, visíveis no córtex cingulado posterior e ínsula (zonas cerebrais envolvidas na aprendizagem da recompensa e punição). Blackwood revelou que os psicopatas não conseguiam aprender com as punições de que foram alvo ao longo do estudo. Apesar de ficarem longos períodos a deliberar, acabavam por cometer os mesmos erros, não conseguindo alterar o seu comportamento.

Uma vez que a aprendizagem da punição é extremamente importante na regulação do comportamento, esta pode ser uma justificação para o fato de os programas de reabilitação não costumarem ser eficazes com psicopatas. Os investigadores esperam que as suas descobertas possam ajudar a desenvolver novas intervenções que permitam reduzir o risco de violência e reincidência. A investigação foi realizada através exames de ressonância magnética a 12 psicopatas do sexo masculino, 20 criminosos não psicopatas do sexo masculino - todos condenados por assassinato, violação, tentativa de homicídio e lesão corporal grave - e por 18 homens sem registo criminal. #Curiosidades