A reconhecida marca Revlon, uma das mais antigas da indústria da cosmética, anunciou que vai retirar os ingredientes tóxicos dos seus produtos. Tal acontece depois de mais de 100,000 pessoas terem assinado uma petição lançada pelo Environmental Working Group (EWG). De acordo com Heath White, diretor-executivo do EWG, a Revlon foi um exemplo de que já não há lugar no mundo atual para empresas que utilizem este tipo de químicos. Referiu ainda que "o movimento pela Revlon confirma que as empresas podem produzir produtos cosméticos sem este tipo de ingredientes."

Um dos ingredientes que aparece mais frequentemente associado à indústria dos cosméticos, e um dos que a Revlon se ofereceu para remover dos seus produtos, diz respeito aos parabenos. Este tipo de químico é encontrado na maioria dos cosméticos e dos champôs para evitar o aparecimento de bactérias, funcionando como um conservante. Contudo, este tipo de químico é considerado prejudicial para as células humanas, sendo vulgarmente associado ao aparecimento do cancro da mama.

O outro ingrediente que esta marca retirou dos seus produtos foi o formaldehyde, um químico considerado como cancerígeno pelo United States Toxicology program e que costuma aparecer frequentemente em produtos como sabonetes, champôs e produtos para o cabelo.

O sucesso alcançado com a campanha do Environmental Working Group já se alastrou a outras marcas, de que é exemplo a petição que se encontra a decorrer para a marca L'Oréal remover os ingredientes cancerígenos dos seus produtos.

A preocupação que tem surgido em torno dos ingredientes nos cosméticos surge de uma maior consciencialização para com este tipo de práticas, sobretudo depois do relatório "What's inside? That Matters" ter concluído que cerca de 80% dos produtos de #Beleza incluem um ingrediente que é prejudicial para a nossa saúde. A falta de legislação que ainda existe em muitos países sobre os tipos de ingredientes que podem ser incluídos nos produtos de beleza, tem levado cada vez mais pessoas a reivindicarem contra esta indústria e contra determinadas marcas de cosmética que continuam a utilizar ingredientes tóxicos nos seus produtos.