As conclusões chegaram do Instituto Oncológico de Xangai, na China, e revelam que uma dieta rica em fibras pode ser o ingrediente secreto para ter uma vida mais longa. Este estudo, cujas conclusões foram recentemente divulgadas na revista científica "American Journal of Epidemiologiy", foi desenvolvido em torno de cerca de um milhão de pessoas e mostra que quem come alimentos com mais fibras desenvolve um menor risco de morte precoce, nomeadamente ao nível de doenças cardiovasculares, várias tipologias de cancro e diabetes.

Coordenada pelo especialista Yang Yang, a equipa analisou informações de 17 estudos que fizeram o acompanhamento de 982 411 indivíduos do sexo masculino e feminino, oriundos essencialmente do continente europeu e dos EUA. Ao longo do período de acompanhamento foram registadas 67 mil mortes.

Como funcionou esta investigação? Com base na ingestão diária de fibras, a equipa dividiu o grupo em cinco subgrupos, concluindo que aqueles cuja ingestão de fibras era maior tinham 16% de menor probabilidade de risco de morte prematura.

Na sequência deste trabalho de investigação, Victoria Burley, Professora de Nutrição da Universidade de Leeds, no Reino Unido, respondeu a algumas questões enviadas por email pela Reuters Health. De acordo com a responsável, estes resultados não foram assim tao surpreendentes, uma vez que estão na mesma linha de outras conclusões já divulgadas por estudos precedentes e que comprovaram a relação entre as fibras dietéticas e o risco de desenvolver uma doença crónica. Além dos benefícios já divulgados, a ingestão de alimentos ricos em fibra, como fruta, vegetais ou cereais, ajuda a diminuir o colesterol e a quantidade de açúcar no sangue, reduz a tensão arterial e a probabilidade de inflamação.

Além do mais, contribui ainda para que as pessoas se sintam saciadas durante um período mais longo. E consumir mais do que dez gramas de fibra por dia, tal como é aconselhado no estudo, não é difícil, como evidenciou a docente. Para tal, é apenas importante comer duas porções de cereais ao pequeno-almoço e a mesma quantidade de frutas ou legumes. Inclua, por isso, no seu cardápio alimentos como cereais, frutas, vegetais ou leguminosas, sendo que a preferência deve estar nos alimentos crus uma vez que, não tendo sido cozinhados, as fibras dietéticas estão preservadas e serão mais facilmente absorvidas pelo organismo. #Culinária