A APR- Associação Portuguesa de Reiki é uma associação sem fins lucrativos que se bate pela implementação de um código de ética desta terapia, a NPTCR-01, Norma Portuguesa de Terapia Complementar de Reiki. A Associação Portuguesa de Reiki, com sede na Amadora, desenvolve um trabalho de esclarecimento sobre o Reiki, apoio a praticantes e terapeutas, assim como uma grande ação social e comunitária. A APR desenvolve vários projectos de serviço à comunidade, tendo o Reiki como base.

Os projectos

" Barrigas com Reiki" - É um ponto de encontro entre grávidas que procuram apoio através do Reiki, utilizando-o como apoio para solucionar ou prevenir situações características da gravidez. O projecto tem como destinatários não só as futuras mães, mas também os pais e acompanhantes.

" Reiki para profissionais e instituições" - Na actualidade os desafios, solicitações e pressões em termos profissionais são imensos. Para dar resposta a esta situação e auxiliando a prevenir situações de desgaste, a APR criou um programa de voluntariado, destinado a técnicos de instituições. Este projecto é desenvolvido na Cruz Vermelha de Caselas, CERCIAMA, CERCIGUI e Centro Social Paroquial de São Brás.

"Prémio de Investigação Reiki" - A APR identifica e publica monografias, estudos de caso e teses onde o Reiki é objecto de estudo. Tendo a noção da importância destes trabalhos na sociedade portuguesa, a associação instituiu o Prémio Hayashi de investigação, visando reconhecer o esforço de estudantes e salientando a exposição que estes trabalhos devem ter na sociedade.

"EntreSer - grupos de apoio"- É um projeto para grupos de apoio como resposta a condições emocionais debilitantes ou mesmo de ausência de saúde. Pretende-se criar grupos de apoio, nomeadamente a doentes oncológicos, a pessoas com depressão e ansiedade. O projecto está aberto a todos os praticantes e não praticantes de Reiki.

"Voluntariado Reiki"- Este é um projecto da APR que parte de um pressuposto de apoio à comunidade e auxílio na inclusão social. Os destinatários do projecto são seniores (nas vertentes do auxílio à mobilidade, memória e qualidade de vida); jovens carenciados, através da promoção de hábitos de vida saudável, auto-estima, equilíbrio e objectivos de vida; pessoas com deficiências e pacientes oncológicos, nomeadamente o apoio a pacientes nos cuidados paliativos.

As acções de voluntariados são desenvolvidas em mais de 40 instituições em todo o país.