Todos nós temos dores no dia-a-dia. Uns mais do que outros, mas não há ninguém que possa dizer que não as tem. Contudo, é preciso saber distinguir as dores que sentimos. Porquê? Porque podem ser mais do que imaginamos. Por isso mesmo, a redatora do site Woman's Day, Abby Cuffey, e o médico Houman Danesh explicam-nos quais as sete dores a que devemos dar atenção, por muito que pareçam algo passageiro.

Dor aguda nas omoplatas: parece banal, mas pode ser o seu corpo a mostrar-lhe que, mais dia, menos dia terá um ataque cardíaco. Caso a dor venha acompanhada de falta de ar ou náuseas, aí deve ir imediatamente ao médico. A dor de cabeça é talvez a mais frequente e qualquer pessoa a tem. E pode ser por muitas razões: stress, resultado de uma noite mal dormida, fome, etc. No entanto, se essa dor for repentina e intensa, pode ser consequência de um aneurisma em crescimento.

Uma outra situação com que devemos ter cuidado é com a dor do lado direito do abdómen. Poderá estar associada ao apêndice e se esperar demasiado tempo pode causar uma rutura e, consequentemente, infeções. É importante dormir bem, claro. Mas quando acorda, tem dores de dentes? Então isso pode ser sinal de que range ou aperta os dentes durante a noite - bruxismo é o termo médico correto - ou de uma inflamação, motivada pelo desgaste do esmalte. A causa pode estar relacionada com situações de nervosismo.

Febre e dores na zona central das costas, principalmente quando acompanhadas de náuseas, desconforto no estômago ou infeção urinária, podem ser provocadas por uma infeção renal. Dores atrás do joelho, entre a barriga da perna e a chamada 'dobradiça', vermelhão e calor nesta zona podem ser um aviso do seu corpo a prepará-lo para uma trombose venosa. Leitoras do sexo feminino, prestem atenção agora: As cólicas menstruais são naturais e muitas mulheres sofrem deste problema. Mas se toma medicação e não sente qualquer alívio, pode ter uma endometriose, doença que pode resultar em infertilidade.

Portanto, sempre que decidir ignorar uma dor, pense duas vezes e releia este texto. Nem sempre o que parece, é.