Já não se recorda do momento em que se deitou na sua cama e adormeceu profundamente, só acordando no dia seguinte? Está farto de contar carneirinhos, a olhar no escuro, à espera que o sono apareça? E, para piorar a situação, o desespero que sente não ajuda a trazer o sono? Um grupo de investigadores da Louisiana State University pode ter encontrado a solução para pessoas que sofrem com insónias. Com recurso a sete voluntários com distúrbios de sono, esta equipa descobriu que o sumo de ginja pode ajudar estas pessoas a dormirem mais 90 minutos por noite, de acordo com um estudo divulgado em Abril último na Conferência Experimental Biology 2014.

Estes sete voluntários beberam aproximadamente 200 mililitros do sumo, ao longo de uma quinzena, duas vezes por dia. Posteriormente passaram outras duas semanas sem ingerir este líquido e mais duas a beber uma bebida com placebo. Ao longo deste trabalho de investigação, os voluntários fizeram testes de polissonografia, cujo objectivo consiste em avaliar a qualidade do sono, e responderam ainda a um conjunto de questões relacionadas com o sono, cansaço, depressão e ansiedade. Foram igualmente submetidos a análises ao sangue.

As conclusões foram surpreendentes. Uma vez que os doentes conquistaram mais 84 minutos de sono por noite, o estudo mostrou que o sumo de ginja contribui para o aumento do triptófano, um aminoácido que estimula a sensação de bem-estar e de descanso. Pelo contrário, quando esta substância se degrada, está aberta a porta para a entrada das insónias.
Afinal, onde está a componente milagrosa deste produto? De acordo com uma explicação disponibilizada em comunicado de imprensa por um dos autores deste trabalho, Frank L. Greenway, a pele da ginja tem "uma enzima que ajuda a reduzir as inflamações e diminui a queda do aminoácido triptófano". Uma vez que tem outras substâncias que fazem com que este aminoácido não se deteriore, a ginja tem um efeito mais eficaz do que os comprimidos para dormir.

Em Portugal, as patologias do sono estão a aumentar e, segundo a Associação Portuguesa de Sono, dormir mal ou pouco aumenta o risco de acidentes de trabalho e viação. Se tem dificuldade em dormir, consulte um especialista e descubra se na origem deste problema de saúde poderão estar níveis de stress ou hábitos do quotidiano que se podem resolver com facilidade. Saiba que, na velhice, a falta de sono pode provocar doenças crónicas, diabetes e tensão alta. #Curiosidades