O leite é considerado um dos alimentos mais relevantes nos hábitos alimentares da população mundial. A ideia generalizada de que este alimento é extremamente completo, rico em cálcio, proteínas e outras vitaminas importantes para o organismo humano está a ser posta em causa nos últimos anos. De facto, o leite é muito utilizado para preencher as lacunas alimentares de países subdesenvolvidos devido à sensação de saciedade que proporciona. Mas será realmente um aliado para a saúde?

Os resultados de inúmeros estudos científicos comprovam que o leite não tem apenas benefícios para a saúde humana, mas também alguns malefícios a ter em conta. Em 2011, investigadores da Universidade de Harvard estavam decididos a retirar o leite e os seus derivados do seu guia de alimentação saudável. Justificaram esta decisão afirmando que o consumo destes alimentos pode originar diversos tipos de cancro (próstata, ovários e cancro da mama), doenças coronárias, diabetes, etc.

Outros estudos revelam que os malefícios do leite estão intimamente relacionados com a quantidade ingerida. De facto, um número elevado de pessoas consome leite e derivados como prevenção da osteoporose. Mas até que ponto o nosso organismo absorve o cálcio do leite para benefício ósseo? O nutricionista Nuno Velho Cabral afirmou à agência Lusa que "ao contrário do que durante anos e anos se tem vindo a dizer, que o leite é muito rico em cálcio e previne a osteoporose, o que se sabe hoje em dia é que o nosso corpo tem uma necessidade extrema de deslocar parte do cálcio que já existe nos nossos ossos para ir neutralizar a acidez do estômago provocada por este alimento". Esta necessidade de neutralizar a acidez no estômago provocada pela ingestão do leite não se verifica apenas em pessoas com intolerância à lactose.

Esta cultura do consumo de leite deve-se também à extrema publicidade deste tipo de alimentos nos média. A indústria ligada aos laticínios invadiu o mercado com novos produtos aliciantes para todas as idades e diversos tipos de consumidores com nichos de mercado bastante específicos. Conseguimos encontrar nas prateleiras dos hipermercados diferentes marcas de produtos láteos para todos os gostos e cada um mais aliciante que o anterior: iogurtes para crianças com desenhos animados associados, iogurtes e leites publicitados como ricos em cálcio e ferro, mais direcionados para a prevenção da osteoporose, entre muitos outros.

Em Portugal tem-se notado um decréscimo considerável do consumo de leite desde 2009 e a tendência é para continuar a descer. Cada vez mais, as pessoas procuram outros alimentos para suprir a falta de cálcio no organismo, como as sementes de chia e os vegetais, principalmente os verdes. Há ainda a hipótese de substituir o próprio leite de vaca por alternativas mais saudáveis como o leite de amêndoa, de soja, etc.

Atualmente, o leite deixou de ser o alimento-chave da alimentação, para se tornar objeto de discussão e contradições para investigadores e nutricionistas.