Muito se fala hoje em dia da azáfama diária e dos níveis de stresse provocados pela correria constante. Investigadores da Universidade de Pittsburgh, nos Estados Unidos, chegaram à conclusão que dormir abraçado ou em conchinha com alguém diminui a produção de cortisol, uma hormona com origem nas glândulas supra-renais, responsável pelo stress: aumenta a pressão arterial e a disponibilidade de energia necessária para a contração muscular.

Abraçar-se a alguém durante a noite tem outros benefícios

Os casais que dormem abraçados ou em conchinha demostram ser pessoas mais calmas, descontraídas e ponderadas. Ao sentirem-se protegidas e seguras, o corpo fica mais relaxado e não sente necessidade de estar "alerta", logo, torna desnecessária a produção de cortisol. Além disso, ajuda na produção de outra hormona: a ocitocina. Com certeza que muitas grávidas já ouviram falar desta hormona, que promove as contrações uterinas, diminui o saneamento durante o parto e estimula a produção de leite materno. Mas, neste caso, a ocitocina concorre noutras funções: estimula o sistema imunológico, ajuda no combate a inflamações e ainda faz o sistema digestivo funcionar melhor.

Dormir juntinho aumenta a cumplicidade e melhora a comunicação do casal

Para além dos efeitos físicos, dormir abraçado com alguém ajuda a melhorar a relação. Os casais envolvidos no estudo revelam que, com esta atitude, o relacionamento sai fortalecido, a comunicação e cumplicidade aumentam, sem falar de que incita a prática sexual entre o casal. Os investigadores da Universidade de Pittsburgh pretendem, ao revelar os resultados, divulgar um remédio natural contra o stress, que "obriga" o corpo a reagir perante uma situação de calma e tranquilidade. Pelo menos, é isso que se pretende na hora de dormir. A falta de descanso é responsável por muitas doenças físicas e mentais: como por exemplo a hipertensão, a ansiedade e depressão, pelo que estimular as pessoas a ter horas de sono de qualidade é também um dos objectivos do estudo.