É mais do que natural que quando se fala em vícios e em drogas, o açúcar passe despercebido. É mais barato, qualquer um pode comprar, consumir e está à venda em qualquer esquina. Mas já parou para pensar que mesmo os alimentos que dizem ser "sem adição de açúcar" a verdade é que são doces? Por que será?

Aspartame. É este o nome do adoçante artificial que substitui o açúcar em mais de 6000 produtos. A vantagem? Produz as mesmas 4 calorias que o açúcar, só que é cerca de 200 vezes mais potente. Quando se ingere um produto com aspartame, a sensação de doce no paladar é muito mais sentida. E agora vem a questão, se há doses diárias recomendadas para o açúcar, então e para o aspartame?

A Organização Mundial de Saúde diz que o aspartame é saudável e um alimento seguro para o ser humano, mas estudos de várias universidades dizem o contrário. Há estudos que garantem que o aspartame tem células cancerígenas. Por defeito, a ingestão de produtos com aspartame obriga o fígado a entrar em acção e, quando chega em excesso, é de imediato transformado em gordura que se acumula nos vasos sanguíneos e junto aos órgãos. Deste processo, nascem inúmeras doenças metabólicas e cancerígenas.

Leucemia, linfomas e diabetes são também associados ao consumo da substância. Sem falar no excesso de peso e na obesidade, que são duas das doenças que mais afectam os portugueses. Comer mal e ignorar os rótulos dos produtos são dois comportamentos que a Direcção-Geral da Saúde quer alterar. Por ano, o estado português gasta milhões para tratar doentes vítimas da própria alimentação.

Em Portugal, o número de pré-obesos e crianças aumenta para números alarmantes. Além disso, a obesidade pediátrica é cada vez mais preocupante. Há crianças que não comem fruta nem legumes e nem sequer sabem o que é água. Os refrigerantes e as comidas fast food, as gomas e os chocolates, as bolachas e os cereais de chocolate... tudo isto está à mão de semear.

Tabaco, drogas leves e álcool são menos prejudiciais para a saúde do que a ingestão de açúcar ou de aditivos semelhantes. As células gordas que se ganham através do mesmo não mais se perdem ao longo da vida. E não se trata apenas de estética ou do corpo esbelto, trata-se de saúde. Ter qualidade de vida. O açúcar em excesso mata.