Em Singapura, um grupo de cientistas descobriu uma nova forma de tratamento para a demência. O tratamento consiste na estimulação do cérebro e no crescimento das células cerebrais, o que vai contribuir para melhorar a memória (seja a curto ou a longo prazo). Os cientistas da Universidade Tecnológica de Nanyang (NTU) de Singapura conseguem, com este estudo, abrir novas portas para o tratamento de pacientes que sofrem de perda de memória associada à demência. Entre estas, estão doenças como a de Alzheimer e Parkinson, que podem ter cura num futuro próximo.

Este estímulo utilizado no tratamento pode, segundo os cientistas da Universidade Tecnológica de Nanyang, vir a ser usado para aumentar o crescimento das células cerebrais, reduzindo assim os efeitos destrutivos que a demência causa nas mesmas. A mesma investigação mostra que as células renovadas podem ser formadas através de um estímulo na parte frontal do cérebro. Esta parte do cérebro está directamente relacionada com a retenção de memória.

Esta descoberta não vem só ajudar no tratamento de doenças directamente relacionadas com a demência (tais como ansiedade e depressão), mas também reduzir efeitos nocivos através da produção de novas células cerebrais. Também a aprendizagem e a retenção de memória encontram-se directamente relacionadas com este tratamento inovador, sendo que serão das funções cerebrais que mais beneficiarão com este tratamento feito à base de impulsos eléctricos que promovem o aumento e crescimento de novas células cerebrais.

A Universidade, responsável por esta investigação, fez o seu estudo em ratos, e segundo os cientistas, os resultados vêm abrir novas portas para o desenvolvimento de soluções inovadoras para quem sofre deste tipo de doença. Este tratamento, agora conhecido como estímulo cerebral profundo, já era utilizado no tratamento de outras doenças em algumas partes de mundo (por exemplo tremores ou distonia - paragem brusca do movimento), sendo visto como um procedimento terapêutico.

A demência causa vários sintomas que incapacitam uma pessoa. De entre um vasto leque, encontram-se a perturbação de memória, a diminuição do discernimento e do controlo dos impulsos, paranóia, depressão, ansiedade, deterioração da capacidade intelectual, entre outros. #Inovação