O Comité de Farmacovigilância da Agência Europeia do Medicamento (EMA, da sigla em Inglês) alerta para o perigo dos tratamentos com altas doses de Ibuprofeno. O Ibuprofeno é um fármaco do grupo dos anti inflamatórios não esteroides, sendo também um analgésico e antipirético utilizado frequentemente te para o alívio sintomático da dor de cabeça, dor dentária, dor muscular, dores menstruais, febre e dor pós-cirúrgica. A Agência Europeia do Medicamento terminou uma revisão do medicamento e alerta para o aumento dos riscos de problemas cardiovasculares, como o enfarte, acidentes Vasculares Cerebrais (AVCs).

Na verdade, o alerta já não constitui propriamente novidade: já se tinha detetado em outros anti-inflamatórios que os riscos aumentavam em tratamentos que envolviam uma dose de 2400 mg por dia ou mais. Esta dose corresponde a dois comprimidos e meio de dosagem no valor de 1000 mg por comprimido.

"Não se observou nenhum aumento do risco cardiovascular com doses de 1200 mg por dia, que é a maior dose que geralmente se utiliza em preparados orais na União Europeia", sublinha o organismo em comunicado. A Agência Europeia do Medicamento sublinha que os benefícios do Ibuprofeno são, ainda assim, muito maiores que os riscos, mas recomenda que se atualize a bula com as informações sobre a administração de altas doses do medicamento. A Agência Europeia acrescenta que doses superiores a 2400 mg por dia "devem ser evitadas em pacientes com problemas cardíacos ou circulatórios, tais como insuficiência cardíaca ou doença coronária (do coração). É igualmente desaconselhado a pessoas que já sofreram enfartes ou AVC".

Os especialistas da EMA recomendam ainda aos profissionais de saúde que, antes de iniciar um tratamento prolongado com Ibuprofeno, se faça uma avaliação dos "fatores de risco cardiovascular do paciente", nomeadamente se fuma, se tem diabetes, colesterol ou tensão arterial. Deve assim ter-se especial cuidado com a medicação mesmo a que não está sujeita a receita médica, como é o caso do Ibuprofeno.