O #Cancro do ovário pode ser detectado precocemente através de exames de sangue regulares. Esta doença pode matar porque muitas vezes é diagnosticada tarde de mais para ser tratada. Durante dez anos (2001-2011), um estudo britânico fez exames a mais de 45 mil mulheres no Reino Unido. Os resultados sugerem que este tumor pode ser detectado quando está ainda numa fase inicial.

De acordo com o grupo da UK Collaborative Trial of Ovarian Cancer Screening, os exames sanguíneos regulares podem detectar alterações nos níveis de uma substância produzida por tumores nos ovários - a CA125. Quando os níveis das pacientes examinadas subiam, as mulheres foram sujeitas a mais exames. Em 86 por cento dos casos de cancro, a doença foi detectada com recurso aos exames sanguíneos.

Sintomas enganadores 

Os sintomas do cancro do ovário também complicam a sua detecção, porque são comuns a outras doenças: dores abdominais ou dificuldades em comer. Para um dos professores que participou no estudo, os seus resultados são bons porque podem ser salvas muitas vidas caso os tumores ovarianos sejam detectados precocemente.

Doença letal em 70% dos casos 

A importância de um diagnóstico atempado é por demais importante no caso deste tipo de cancro, já que na fase mais adiantada só há possibilidades de sobrevivência até cerca de 5%, enquanto no estágio mais inicial o paciente terá pelo menos 90% de chances de sobreviver à doença.

De acordo com a Liga Portuguesa Contra o Cancro, em Portugal são detectados anualmente mais de 350 novos casos de cancro, sendo esta a sétima causa de morte feminina ao nível mundial. Normalmente, afecta mulheres prestes a entrar na menopausa e depois de entrar na mesma - numa idade média de 54 anos - apresentando uma taxa de mortalidade de 70%.

Entre os grandes factores de risco estão, tal como noutro tipo de tumores, antecedentes familiares ou mutações genéticas herdadas, mas também não ter filhos, a idade, antecedentes de outros tumores (mama, útero ou colo-rectal) e a obesidade.